FINANCIAMENTO 21/05/2016

Uma mãozinha na reforma

notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 19040, 'email': ' andresongurgel@opovo.com.br', 'nome': 'Anderson Cid'}
Anderson Cid andresongurgel@opovo.com.br


Reformas podem custar mais do que se imagina, levando em conta o material e a mão de obra necessária para executar – e isso sem contar com eventuais imprevistos. Para quem não tem como pagar tudo de uma vez, é possível entrar em contato com um banco e encontrar uma linha de crédito que sirva para cobrir esses custos.


Segundo Cláudio Leopoldino, professor do curso de Administração da Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em educação financeira, muitas vezes se faz uso de financiamentos sem perceber, como quando se compra parcelado material de construção para a reforma. Os juros, ele conta, já vêm embutidos. Procurar crédito em um banco pode dar a vantagem de possibilitar um planejamento mais minucioso.


A Caixa Econômica Federal disponibiliza duas linhas de crédito para fazer reformas: uma para uso comercial e uma habitacional. A primeira, chamada Construcard, financia apenas o valor necessário para a compra de material de construção, sem incluir o serviço dos profissionais ou quaisquer outras despesas.


Nessa linha, não há liberação do valor em dinheiro. Em vez disso, o cliente recebe um cartão que é usado para comprar o material em estabelecimentos credenciados pela Caixa. Após fazer o empréstimo, o cliente tem até seis meses para usar o crédito e um prazo de até 20 anos para pagar o valor total.


Para usar essa linha, é necessário já ser cliente da Caixa, o que também pode definir outros aspectos da negociação: a taxa de juros a ser aplicada não é fixa e varia de acordo com uma série de fatores, entre eles o relacionamento entre o cliente e o banco, sendo definida para cada caso de acordo com a análise de risco. Segundo Isabela Sancho, gerente regional de habitação da Caixa Econômica de Fortaleza, essa taxa varia de 2,7% a 3,1% ao mês.


Na linha habitacional a destinação dos recursos é mais livre, não precisando se limitar ao material de construção. As exigências, no entanto, são maiores, uma vez que nesse caso é preciso apresentar um projeto que especifique detalhadamente como será feita a reforma e quais serão os gastos.


A linha habitacional da Caixa pode ser vinculada a recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). No primeiro caso, o imóvel deve valer até R$ 180 mil e pode ser financiada uma parcela de até 90% da quantia total a ser gasta com a reforma. O prazo para o pagamento vai de 5 a 30 anos e os juros variam entre 5,5% e 8,16% ao ano. O valor mínimo a ser financiado é de R$ 10 mil.


Já pelo SBPE não há limite de valor para o imóvel, mas a parcela máxima dos gastos que pode ser financiada é 50%. O valor mínimo do financiamento é de R$ 50 mil e o máximo R$ 1,5 milhão.

 

Dependendo do caso, o prazo máximo para pagar varia entre 10 e 20 anos e os juros vão de 11,5% a 12,5% ao ano.


No Banco do Brasil também há duas linhas disponíveis. No BB Crediário, que trabalha com crédito direto ao consumidor, o cliente financia bens ou serviços em estabelecimentos afiliados à Cielo. Para contratar é preciso ser titular de conta corrente, ter limite de crédito aprovado e estar disponível para a linha e um dos cartões Ourocard – Visa, Elo ou Visa Electron.


O prazo de pagamento é de até quatro anos e seis meses, com período de carência de até 180 dias (seis meses). Os juros vão de 3,78% a 4,41% ao mês e não há limite para parcela do valor pago a ser financiada, mas são admitidas no máximo cinco operações por cliente, com cada uma delas sendo de no mínimo R$ 500 e no máximo R$ 10 mil. O valor máximo no total é, portanto, de R$ 50 mil.


A outra linha disponível é a Consórcio de Imóveis, que é usada para aquisição de imóveis mas que também pode servir para reformar ou construir – desde que o imóvel esteja localizado em área urbana.

 

Essa linha não possui juros, mas conta com uma taxa de administração que varia entre 15% e 20%, diluída no período de duração do plano.


O prazo de pagamento é de em torno de 15 anos para grupos novos e funciona de forma variada para grupos em andamento. O imóvel a ser reformado deve ter valor de entre R$ 30 mil e R$ 700 mil e a utilização de carta depende da contemplação por sorteio ou lance.


No Bradesco, a linha CDC Reforma de Imóveis, Condomínios e Reuso de Água cobre até 70% do valor da reforma, com parcelas a partir de R$ 20. O prazo para o pagamento da primeira parcela é de 15 a 59 dias e para o pagamento do financiamento inteiro é de até quatro anos. Os juros variam de acordo com as especificidades de cada caso, mas giram em torno de 5% ao mês.

undefined

> TAGS: imóveis reforma
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis