CONSÓRCIO. CARTA DE CRÉDITO 23/01/2016

Consumidores utilizam consórcio para reformar a casa

notícia 0 comentários
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 19078, 'email': 'elvesrabelo@opovo.com.br', 'nome': 'Elves Rabelo'}
Elves Rabelo elvesrabelo@opovo.com.br
MAURI MELO
Lilia Silva reformou a casa inteira com a carta de crédito

 

Financiamento de 100% do valor do bem, ausência de juros e, após contemplação, poder de compra nas mãos, através de carta de crédito. Esses pontos atraem novos investidores ao sistema de consórcios. Mas dentre os objetivos de quem opta pelo modelo, a reforma da casa é um dos mais procurados.


 

Existem duas formas para utilizar o consórcio na hora de reformar: consórcio imobiliário e consórcio de serviços. O primeiro é indicado para reformas acima de R$ 15 mil. Como os valores são mais altos, a administradora necessita de um bem como garantia. Essa modalidade é mais utilizada devido ao tempo de pagamento ser maior, entre 120 a 150 meses. Já o consórcio de serviços é o ideal para reformas menores, em torno de R$ 5 mil a R$ 10 mil, com prazo de pagamento menor, de 24 a 36 meses.


Hoje no Brasil, o consórcio imobiliário tem cerca de 800 mil participantes. Já na de serviços, 32 mil integram o sistema. De acordo com o último levantamento realizado pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), até novembro de 2015, cerca 2,15 milhões de novas adesões foram registradas no sistema. O que corresponde a um aumento de 13,5% se comparado ao mesmo período de 2014.


“O consórcio imobiliário é uma carta de crédito. Quando o cliente adquire e é contemplado ele tem várias alternativas para utilizar o crédito: comprar imóvel novo, usado, na planta, terreno, apartamento, sala comercial, prédio e também fazer uma reforma”, afirma Ricardo Jaques Carvalho, diretor comercial da Remaza Novaterra Administradora de Consórcio.


“O cliente não define o que vai fazer antes de obter o crédito, porque, muitas vezes, muda de ideia depois. Ele entra no consórcio pensando em comprar um imóvel novo, mas recebe a carta e quer reformar o imóvel que possui e investir o resto em outra alternativa. A definição de como utilizar o dinheiro somente acontece quando o cliente é contemplado”, diz.


Índice de crescimento

Até novembro do ano passado, os consórcios de imóveis mantiveram crescimentos porcentuais elevados no acumulado de vendas de novas cotas. Foi registrada alta de 41,5% sobre o mesmo período de 2014. Ainda houve 43,1% de aumento nos correspondentes créditos comercializados.

 

Dos clientes que são contemplados com a carta de crédito, 18 a 20% optam pela reforma do imóvel. Para Ricardo, “os brasileiros estão a descobrir uma nova modalidade de compra. Eles perceberam que o consórcio é a melhor maneira econômica e financeira para fazer isso. Há prazos mais longos para pagar e não têm juros, apenas uma taxa de administração que gira em torno de 0,1% ao mês”, afirma.


Em todas as regiões do Brasil a modalidade de consórcio tem crescido. De acordo com Rodrigo Freire, presidente regional da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), a procura maior tem ocorrido devido às altas nas taxas de juros, o que fez com que os consumidores buscassem alternativas no mercado.


“Os financiamentos bancários estão mais difíceis. Com os consórcios há uma maior viabilidade de custo, porque dá para fazer uma programação de compra no longo prazo”, diz.

 

NÃO ESQUEÇA


VANTAGENS


CUSTO FINAL do consórcio é bem mais barato


MOBILIDADE: a carta de crédito permite a troca do objetivo de compra a qualquer momento do consórcio


FORMA de poupança programada e forçada


AUTODISCIPLINA


FORMAÇÃO de patrimônio


DESVANTAGENS


PODE HAVER demora na contemplação. Se há pressa para reformar o imóvel, o consórcio não é muito indicado


NÃO ATENDE expectativas imediatas.

É no longo prazo


CONSÓRCIO DE IMÓVEIS


TOTAL DE CONSORCIADOS


802,0 MIL (NOVEMBRO/2015)


775,9 MIL (NOVEMBRO/2014)


CRESCIMENTO: 3,4%


VENDAS PARA NOVOS CONSORCIADOS


222,7 MIL (JANEIRO-NOVEMBRO/2015)


157,3 MIL (JANEIRO-NOVEMBRO/2014)


CRESCIMENTO: 41,5%


TÍQUETE MÉDIO (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)


R$ 109,7 MIL (NOVEMBRO/2015)


R$ 112,8 MIL (NOVEMBRO/2014)


RETRAÇÃO: 2,7%


CONTEMPLAÇÕES


59 MIL (JANEIRO-NOVEMBRO/2015)


63 MIL (JANEIRO-NOVEMBRO/2014)


CRESCIMENTO: 6,3%


Fonte: ABAC


SAIBA MAIS


AS ADMINISTRADORAS de consórcios precisam estar autorizadas pelo Banco Central e aptas junto à ABAC. Os especialistas indicam ler com atenção o regulamento do consórcio de interesse para ver se tudo está correto e fugir de propostas milagrosas. Nada é fácil demais


PESQUISAR NA INTERNET comentários de pessoas que já usaram o serviço e consultar o sítio do Banco Central e da ABAC é indicado para ver a procedência das empresas


CONSULTE O SITE DO Banco Central para conferir a relação de empresas autorizadas, em www.bcb.gov.br


Acesse abac.org.br e faça denúncias de empresas irregulares

 

undefined

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis