ENTREVISTA. CÉSAR RÊGO 01/07/2015

Sempre corretor

notícia 0 comentários
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 19023, 'email': 'carolkossling@opovo.com.br', 'nome': 'Carol Kossling'}
Carol Kossling carolkossling@opovo.com.br
Compartilhar

A os 64 anos, César Rêgo é referência no mercado imobiliário cearense. Sócio e diretor da imobiliária que leva seu nome, ele ainda se considera um corretor. É assim que se apresenta: “Sou corretor e diretor-comercial da César Rêgo Imóveis. Mas esse “comercial” é só para identificação”, diz ressaltando que participa de tudo na empresa.

 

Ele diz que vai trabalhar “até o dia em que Papai do Céu quiser”. Apesar disso, já prepara a sucessão. Seu sobrinho, Adriano Aguiar, 40, atual gerente-geral é quem assumirá o cargo. Ainda não tem data definida. Também não será de forma abrupta, preferindo que aconteça de forma gradual. Brinca que André vai trabalhar mais e ele menos.


No mercado há mais de 30 anos, ele diz que muito mudou. Tanto que considera difícil estabelecer uma comparação entre os clientes de quando começou e os atuais. Prefere falar dos últimos cinco anos. Nesse período, o consumidor ficou mais seleto e exigente. Para ele, não há crise no setor imobiliário de Fortaleza – que continua a produzir e vender. “É diferente de São Paulo, onde o volume sempre foi maior”.


Apaixonado por viagem, César quer conhecer a Noruega e voltar a Grécia. Longe do velho continente, o pernambucano radicado no Ceará recomenda Fernando de Noronha. De frente para o mar, ele recebeu O POVO em seu escritório, no número 1 da rua Osvaldo Cruz. “Escolhi aqui por causa da vista”.

 

O POVO - O senhor começou na área de construção. Foi por influência da família?

César Rêgo - Meus avós tinham propriedades rurais, em Caruaru (PE), e construíam também para comercialização. Entre os quatro e 11 anos meu brinquedo predileto era material de construção. Depois fui morar em Recife, pretendia cursar Engenharia ou Arquitetura, mas terminei fazendo curso técnico de construção de pontes e estradas. Trabalhei em outras áreas e comecei a participar de maneira indireta da construção civil durante uns 10 anos. Depois mudei para o Ceará, pois a família da minha esposa é daqui. Desenvolvi outras atividades e continuei no mercado de construção.

 

OP – Como foi o início em Fortaleza?

César - Construí casas mas não eram vendidas por conta da dificuldade do mercado e porque não estavam tão bem elaboradas, pois a construção era minha segunda atividade. Na Água Fria, fui o pioneiro. Morei na vizinhança. Nessa época, percebi que, ao invés de ter uma produção própria com poucas unidades, era muito melhor participar do mercado como um todo.

 

OP – Foi daí que surgiu a imobiliária?

César - Resolvi ir para uma imobiliária, contribuindo com as vendas das minhas casas. Depois fui acolhido pelo Caetano Braga (de imobiliária homônima), que me abraçou e foi uma pessoa generosa, pois eu não tinha o conhecimento para um mercado grande na área de comercialização. Mas começamos a desenvolver um bom trabalho e deslanchamos. A imobiliária passou para um patamar ainda mais elevado.

 

OP – Como iniciou a César Rêgo?

César - Quando meu filho (Ticiano) se formou em Ciência da Computação, informei a ele meu patrimônio e coloquei à disposição, pois pensei que quisesse ter empresa de tecnologia. Ele disse “vamos montar uma imobiliária!” Ele ficaria com o setor de locação e eu, com vendas. Quando ele entrou, a necessidade de expansão era tão grande que passou alguns meses comigo e tivemos grandes sucessos. Na época, eu já simpatizava com algumas pessoas, como (o sobrinho) André Aguiar, que hoje é gerente geral da empresa. O incluí na condição de acompanhar a sucessão natural.

 

OP - O senhor está preparando a sucessão?

César - André está se preparando para o cargo. Ele é meu sobrinho e tenho amor por ele como se fosse um filho. Gosto muito de trabalhar e ele está me dando a chance de permanecer. A ideia da sucessão não é exclusiva, pois André assumiria mas eu continuaria até o dia que Papai do Céu quiser. Ele vai trabalhar mais e eu menos. Ele vai me chamar nas maiores necessidades.

 

OP - E seu filho continua na parte de locação?

César - Continua. Ele tem participação de 50% na empresa. E quando fizermos a sucessão, André também terá a participação dele.

 

OP - Parceria é estratégico para o sucesso do negócio?

César - Se a empresa não se chamasse César Rêgo Imóveis se chamaria Parceria. É uma área em que você tem que selecionar profissionais para desenvolver ações na sua identidade e você na deles. Temos parcerias em quase todos os plantões. É uma maneira de crescer e favorecer o mercado. Toda a cadeia ganha.

 

OP - Estamos em um momento de turbulência na economia. O mercado imobiliário cearense está sendo afetado?

César - O que está acontecendo é um momento de pura exclusividade da política e da economia do País. Não tem nenhuma responsabilidade de corretores, nem de construtores. E a prova é que o mercado está em constante movimentação, só não está na mesma velocidade. Eu aconselho que, quem deseja ou tenha sua economia para comprar um imóvel, faça sua aquisição. E quem tem economia mais elevada faça uma aquisição patrimonial.

 

OP - E toda essa quantidade de placas para venda e aluguel de imóveis que vemos espalhadas pela Cidade?

César - Isso se dá pela falta de organização das entidades pública. As placas têm que estar em campos específicos não podem ser colocadas nos postes de rua. Quem coloca lá é o corretor fantasma que muitas vezes não tem Creci. Não tenha como indicador de mercado o número de placas, pois exitem cinco para um único imóvel. O que houve no mercado local foi uma acomodação na velocidade tanto da comercialização como na locação.

 

OP - Isso quer dizer que estamos melhores que outros mercados pelo País - como o de São Paulo?

César - São Paulo produz mais que qualquer estado. Só pode ser comparado ao exterior. No momento atual não está produzindo como antes. É natural que as reservas das construtoras sejam maiores lá.

 

OP - O perfil do consumidor mudou muito nesses seus 30 anos de mercado?

César - É muito tempo, mas de cinco anos para cá ele está pesquisando mais. Está mais seleto, exigente, educado e não está atrás apenas de preço.

 

OP - Como conquistar o cliente hoje?

César: Fidelizando o atendimento em todos as necessidades solicitadas. Confirmando, antes da assinatura do contrato, a total satisfação da escolha. O cliente quer atenção, bom atendimento e melhores oportunidades.

 

Perfil


César Rêgo tem 64 anos. É corretor de imóveis, sócio e diretor-comercial da César Rêgo Imóveis. No mercado há mais de 30 anos, começou a trabalhar com construção civil em Recife. Nascido em Caruaru (PE), mudou-se para Fortaleza e foi pioneiro na construção na região da Água Fria.


Há cerca de 30 anos, migrou para o ramo imobiliário para vender as casas que construia. Diz que o trabalho é lugar de de constituir amigos, negócios e conhecer outros povos. Seu hobby é viajar.

undefined

> TAGS: césar rêgo
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis