VALORIZAÇÃO. LUIZA TÁVORA 26/11/2014

De olho naquela praça

notícia 8 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 18858, 'email': 'vivianesobral@opovo.com.br', 'nome': 'Viviane Sobral'}
Viviane Sobral vivianesobral@opovo.com.br
Compartilhar

A praça, as flores, os bancos, o jardim não são exatamente mais os mesmos. De 1979, quando data o início de sua história, até hoje, a praça Luiza Távora, na Aldeota, sentiu as transformações dentro de suas dimensões. O entorno também passou por mudanças. Dos vizinhos mais antigos aos recém-chegados, o difícil é encontrar quem não goste de morar ali perto. E o mercado imobiliário sabe disso.

 

Entre as casas que ainda resistem e o comércio presente, de frente para a praça da Ceart, como também é conhecida, são cinco edifícios residenciais - dois deles recentes, entregues nos últimos cinco anos. Além destes, dois comerciais estão em construção. Isso só para citar aqueles que estão defronte à praça. São empreendimentos que vislumbram o potencial que não só o bairro tem a oferecer, mas especialmente o que o equipamento público garante em termos de qualidade de vida.


Das moradoras mais antigas, a dona de casa Maria Helena Quezado, 77, é uma das que asseguram não terem pretensão alguma de mudança. Já são 27 anos residindo no edifício São Raimundo, prédio mais antigo de frente para a praça. “Tenho outros imóveis em Fortaleza, mas quero continuar aqui”, diz. Entre os motivos, a certeza de que, se tiver companhia, haverá caminhada de manhã cedo e a proximidade com a Igreja das Missionárias, que frequenta todo domingo.


Maria Helena narra que o edifício não tem estrutura de lazer. E mesmo entre os moradores dos prédios novos, que contam com itens como quadra, piscina, academia, se repete o discurso de que a praça é uma extensão para os empreendimentos. “Os edifícios têm áreas de convivência muito restritas. As pessoas se utilizam da praça e dos equipamentos como uma complementação do conforto doméstico”, descreve o arquiteto e urbanista Romeu Duarte.


O especialista destaca o alto custo que é reproduzir “a própria cidade” dentro do equipamento privado. “Tem impacto ainda no valor do condomínio para a manutenção”, afirma. Por isso, analisa, os espaços que o poder público investe, recupera e oferece à população servem também como área de desafogo para os equipamentos residenciais que estão a volta.


“Se você viera aqui no começo da noite, não vai encontrar quase ninguém na academia ou no playground. Muitos descem para a praça”, conta a comerciante Patrícia França, 38, que sempre que pode promove piquenique com o marido e os filhos, de 4 e 6 anos. Ela reside em um dos mais recentes edifícios construídos ali. A servidora pública Noemi Fonseca, 56, há vinte anos mora do lado da praça, e garante que as reformas e novos equipamentos inseridos na praça valorizaram os imóveis. Mas assegura que ninguém quer se desfazer da sua propriedade.


“Tende a valorizar os imóveis. Se há investimento nas melhorias de áreas urbanas, com paisagismo, equipamentos de esporte, lazer, lúdicos, culturais, concorre para a valorização imobiliária”, avalia Romeu.


Saiba mais 

 

NOVOS VIZINHOS

Na esquina das ruas Costa Barros com Monsenhor Bruno será erguido, a partir de 2015, o sexto edifício residencial em frente à praça Luiza Távora. O “La Piazza”, empreendimento da SM Incorporações, terá 23 andares, dois subsolos, 46 apartamentos de 94 metros quadrados, sendo dois por andar e todos voltados para o nascente. A previsão de entrega é de julho de 2017.

 

O diretor da construtora, Stênio Martins, descreve que o terreno tem 1.600 metros quadrados. “Não é muito grande, mas a gente conceitua que a praça é uma extensão de lazer do empreendimento”, diz. Ainda assim, o edifício contará com sala de ginástica, piscinas adulto e infantil, quadra e sauna. 

 

“Sem dúvida, a praça é o principal diferencial. É só atravessar a rua. A Luiza Távora é no coração da Aldeota, tem vida intensa, atividades culturais, esportivas, é próxima da Beira Mar e do Centro. E é ainda mais estratégico porque será perto de uma estação de metrô da linha leste”, destaca. O preço do imóvel não foi informado.

undefined

Compartilhar
espaço do leitor
Jacqueline Maia 26/11/2014 16:38
Ao ler o título da matéria também achei que iam destruir a praça. Ficaria estarrecida e revoltada, mas ainda bem que me equivoquei. A praça Luiza Távora foi "testemunha" meu casamento...
emanoel 26/11/2014 16:31
nunca vi gente sentar nessa pracinha a não ser pra usar drogas e se for uma 9:30 ai que o bagulho pega.. devia vender essa pracinha que não da pra ficar pq somos roubado a qualquer momento..
Carlos José 26/11/2014 14:46
os skatistas estão acabando com o piso da nova praça...Eles não ficam só no espaço feito especialmente para eles. É um absurdo e não há fiscalização. Vão deixar acabar todo o piso para fazer uma nova reforma?
Walber Filgueiras 26/11/2014 11:53
Concordando com o que o Pedro diz, nosso povo é desprovido de tradição. Lembro-me bem do castelo e assisti a demolição, uma tristeza.Tudo àquela época por especulação imobiliária, o castelo pertencia a família Romcy que repassou à Prefeitura.A demolição se deu por condenarem o imóvel, pura mentira.
Pedro 26/11/2014 11:13
Uma pena o que fizeram, quem viveu ali antigamente sabe como era bonito o castelo e o jardim, em detrimento daquela aberração cimentada na frente.
Ver mais comentários
8
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis