Mobile RSS

rss
Assine Já
Marechal Deodoro 15/11/2012

A rua que explica o valor da Proclamação da República

O POVO percorreu a rua Marechal Deodoro, nomeada assim em homenagem ao militar líder da Proclamação de 1889. Alguns moradores não sabiam de quem se tratava. Outras vias fazem referência ao período do Império
Compartilhar

“Marechal Deodoro? Sei não, minha filha. Faz tempo que saí da escola”. “Proclamação da República? Aí eu sei... Foi dom Pedro, né? Não, não. Foi o marechal Deodoro”. E ri alto. É assim que o aposentado Leonir Lima do Amaral, 76, cheio de conversa, responde à indagação sobre quem foi aquele que dá nome à rua onde mora há sete anos. Enquanto isso, o comerciante Marcos Ivan Peixoto, 55, espia a conversa e dispara. “É marechal Deodoro da Fonseca. Proclamou a República. Depois disso, mudou muita coisa, aumentaram os corruptos”, brinca.

 

A rua Marechal Deodoro é pequena. Mas homenageia um momento histórico importante para o Brasil: a Proclamação da República, comemorada hoje com feriado nacional. A via fica entre duas movimentadas avenidas - Eduardo Girão e Domingos Olímpio. E corta um dos bairros tradicionais da Capital, o Benfica. A personalidade a que se refere liderou a instituição da República no País, quando o Brasil deixou de ser administrado por imperadores e passou a ser governado por presidentes. O personagem em questão foi, inclusive, o primeiro presidente do Brasil.


“Tem gente que não sabe nem que dia é amanhã (hoje)”, responde o técnico eletromecânico, Carlos da Silva, 52, com orgulho de saber quem foi o marechal. “O nome era marechal Deodoro da Fonseca. Ele proclamou a República. Sei que mudou o regime”. Como estudou até o “2º grau faz muito tempo”, teve dificuldade de puxar da memória mais informações. Foi logo, então, prosseguindo com as experiências vividas. Para não deixar a conversa esmorecer. “Tinha uma estátua dele na Bezerra de Menezes. Era um escultura de bronze”.


Se os mais velhos tiveram dificuldade de lembrar, quem estava com a memória “fresquinha” disparou de uma vez. “Marechal Deodoro participou da Proclamação da República. No dia 15 de novembro de 1989”, foi a resposta do estudante Anderson Tabosa Silva, 18, que faz o 3º ano do ensino médio em uma escola na rua que recebe o nome do militar. O colega de sala e de mesmo nome, com o sobrenome Alves dos Santos, 17, até ressaltou uma vantagem do novo momento histórico. “Na República, o governo não é centralizado”.

 

Outras homenagens


No restante da Fortaleza que, muitas vezes, esquece de ressaltar a memória histórica que abriga, outros locais relembram o feriado de hoje. No mapa, há duas pequenas ruas chamadas rua da República. A avenida Rui Barbosa, na área nobre da Cidade, faz referência ao ministro da Fazenda do governo de marechal Deodoro. A agitada Floriano Peixoto, no Centro, recebe o nome do segundo presidente do País. As homenagens mais expressivas, no entanto, fazem referência ao Império.


Exemplos são os monumentos de Dom Pedro II, General Sampaio e General Tibúrcio, no Centro. E vias como a avenida Imperador, rua Princesa Isabel, rua Tereza Cristina e rua General Sampaio.


Para o professor de História André Rosa, isso não indica que há uma valorização maior ao período em que dom Pedro I e dom Pedro II administraram o Brasil. “É uma homenagem mais à pessoa do que ao próprio período histórico. Carapinima e Padre Mororó (que dão nome a ruas no Centro) apareceram no período imperial, mas têm ideais republicanos”, justifica.


Ele completa dizendo que Fortaleza, por ter recebido influência francesa no início do século XX, é bem mais próxima da República do que do Império. “A república foi um ideal muito bem desenvolvido na França”.

 

ENTENDA A NOTÍCIA


Manuel Deodoro da Fonseca, o marechal Deodoro, foi um militar alagoano e político, proclamador da República e primeiro presidente do Brasil. O feriado de hoje é uma homenagem à instituição da República no Brasil.

 

Saiba mais


Em 1889, num levante político-militar, o Brasil deixava a monarquia, comandada por uma família real, para se transformar em uma República Federativa Presidencialista. Marechal Deodoro foi o líder. Segundo o professor André Rosa, ele era um militar de carreira, amigo de Dom Pedro II.

 

O professor conta ainda que os militares saíram fortalecidos da Guerra do Paraguai e acharam que poderiam governar o País. “A proclamação foi um golpe. Os quartéis fizeram a adesão à República e o Exército levou uma carta de renúncia para o imperador Dom Pedro II assinar”, conta. No início, não houve tantas mudanças políticas. Elas começaram cerca de 40 anos depois.

Gabriela Meneses gabrielameneses@opovo.com.br
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

Mais comentadas

anterior

próxima