Mobile RSS

rss
Assine Já
ADOÇÃO 26/01/2012 - 01h30

Cadastro Nacional tenta diminuir preconceitos

O Cadastro Nacional de Adoção (CNA), em voga desde 2008, tenta diminuir os preconceitos dos pretendentes em relação a crianças e adolescentes que serão adotados. As pessoas interessadas na adoção precisam se cadastrar e realizar um curso para a adoção. As aulas são ministradas pelo Juizado da Infância e Juventude. Dessa forma, a Justiça passa a conhecer melhor o perfil do candidato a pai.

 

“Em alguns estados, inclusive, os pais biológicos da criança não têm direito de escolher com que pais o filho deve ficar. A tendência é que essa forma se expanda para todo o País”, informa a promotora da 2ª Vara da Infância e Juventude, Marília Uchôa. Desse modo, segundo a promotora, evita-se o tráfico de seres humanos.


Nas aulas do curso, segundo Uchôa, muitos preconceitos têm a tentativa de serem quebrados. De acordo com Uchôa, os pais normalmente acreditam que o filho adotado é problemático. Por isso, pedem meninas – por achar menos problemáticas - e com menos idade. “Tentamos desmistificar isso”.


A maioria dos pretendentes é de adultos, entre 25 e 40 anos, mas muitos idosos procuram a adoção. E mesmos as pessoas com mais idade, segundo a promotora, ainda têm predileção pelos bebês de até seis meses. (AF)


0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.

Mais comentadas

anterior

próxima