Hábitos 03/10/2016

Pequenos erros que prejudicam sua saúde financeira

Maus hábitos podem estragar a saúde financeira, atrapalhando o controle das contas e até levando ao endividamento
notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br

Não é uma questão de avareza. Mas erros corriqueiros e até aparentemente pequenos podem atrapalhar o equilíbrio da das suas finanças. Para especialistas ouvidos pelo O POVO, a mudança de hábitos é o primeiro passo para o sucesso financeiro.

 

O educador e coaching financeiro do Money Group, Phillip Souza, explica que existem muitos hábitos ruins que podem levar ao endividamento. Entre eles, cita a falta de um orçamento. “Se você não tiver um orçamento, fica bastante complicado evitar problemas financeiros. Um orçamento ajuda a diminuir ou evitar as dívidas; também te ajuda a construir suas reservas em caso de emergência”, comenta.


O economista José Maria Porto explica que quando se fala em hábitos de consumo, está se falando sobre as finanças comportamentais, que estudam a psicologia humana nas decisões de consumo e investimento. “A dificuldade de mudança de hábitos de consumo, em algumas situações tem nuances de doença psicológica, como a Oneomania, que é uma doença obsessivo-compulsiva que leva pessoas a consumirem de forma descontrolada”, completa.


Acrescenta que exceto questões ligadas a fatores psicológicos, o consumismo exagerado pode ser considerado um péssimo hábito para quem quer acumular um patrimônio e assim ter um futuro financeiro mais tranquilo.


Para o especialista, o descontrole orçamentário é o principal fator para que as pessoas não acumulem “riqueza”. “Muitos não ligam para sua situação no futuro e, para a formação de poupança, é preciso exatamente se abstrair de parte desse consumo presente para se ter um benefício no futuro”, analisa. José Maria destaca que a pessoa não precisa sacrificar a qualidade de vida para ter um futuro financeiro tranquilo. “No entanto, é preciso seguir a regra básica: Não gastar mais do que se ganha. Assim, o planejamento financeiro pessoal é a chave do sucesso de uma vida financeiramente equilibrada”, conclui.


Phillip Souza diz que, por incrível que pareça, gastar mais do que recebe é um dos maus hábitos financeiros mais recorrentes e destrutivos. Outros que ele aponta são o uso indiscriminado do cartão de crédito. Por isso, recomenda deixar o cartão de crédito guardado. “Use apenas dinheiro ou cartão de débito, de preferência de uma conta em que não exista cheque especial”, comenta.


Os especialistas apontam que outro hábito nocivo frequente é recorrer com frequência aos limites do cartão de crédito e do cheque especial como se eles fossem uma extensão da renda. Além disso, pensar somente no valor da parcela e não se preocupar com os juros pagos, o que é um erro.


O educador financeiro Phillip diz que a criação do hábito é um processo gradual. Conta que, segundo estudos de neurociência e psicologia cognitiva, em média um indivíduo leva cerca de dois meses para mudar. “Depende da complexidade do hábito, os mais simples podem ser corrigidos em 21 dias”, comenta. Por isso, considera que tudo deve começar com um diagnóstico preliminar da situação e depois uma coleta de dados de pelo menos 30 dias para comparar com a situação inicial encontrada.

 

“MUITOS NÃO LIGAM PARA SUA SITUAÇÃO NO FUTURO E, PARA A FORMAÇÃO DE POUPANÇA, É PRECISO EXATAMENTE SE ABSTRAIR DE PARTE DESSE CONSUMO PRESENTE PARA SE TER UM BENEFÍCIO NO FUTURO”

 

José Maria Porto, economista


Hábitos que prejudicam a vida financeira


1. Não se importar com pequenas quantias

 

2. Andar com muito dinheiro na carteira, especialmente com cédulas de baixo valor

 

3. Não saber dizer “não”

 

4. Olhar somente o valor da prestação e não se preocupar com os juros e valor final

 

5. Pagar mais caro em contas mensais por pacotes, de TV a cabo por exemplo, que nem usa

 

6. Comprar embalagens tamanho “família”, o que estimula o desperdício

 

7. Não priorizar o pagamento de dívidas de juros mais altos

 

8. Guardar apenas o que sobra no fim do mês, ao invés de ter uma meta para economizar

 

9. Não ter planejamento financeiro (orçamento)

 

10. Não pesquisar antes de comprar

 

11. Não adotar listas antes de ir às compras

 

12. Ignorar as condições dos parcelamentos

 

13. Comprar por impulso

 

14. Usar os valores pré-aprovados do cheque especial ou cartão de crédito como uma extensão da renda

 

15. Não estar adequadamente segurado

 

16. Não ter reserva de emergência

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia