Empreender 01/10/2016

Gerando lucro dentro de um contêiner

Empreendedores de Fortaleza apostam em montar seus negócios em contêiner. De estúdio fotográfico a motel, são várias as possibilidades de uso e as vantagens deste modelo
notícia 0 comentários
CAMILA DE ALMEIDA
Aluguel mais barato, manutenção e obras simples foram os fatores que motivaram inicialmente a escolha da fotógrafa Suely Guimarães para montar seu estúdio fotográfico em um contêiner


A forma como você recebe os seus clientes na primeira visita é determinante para o sucesso de seu empreendimento. Se o espaço foge do comum, ele pode se transformar também em um verdadeiro diferencial competitivo. Foi o que aconteceu com a fotógrafa Suely Guimarães que optou por montar o seu estúdio fotográfico em um contêiner marítimo.


Do lado de fora, as características originais do contêiner foram preservadas e chamam a atenção de quem passa pela rua Manoel Monteiro, no bairro Cidade dos Funcionários, em Fortaleza. Um jeitoso jardim na lateral dá as boas vindas a quem chega e ao invés de campainha, um sino. Do lado de dentro, todo o conforto e estrutura para fazer os ensaios fotográficos e fechar contratos. “As pessoas passam por aqui, olham e se surpreendem quando entram”.


Ela diz que um aluguel mais barato, uma manutenção mais simples e menos tempo de obra foram os fatores que motivaram inicialmente a escolha, mas quando a ideia começou a ganhar corpo percebeu que o espaço poderia ser um atrativo a mais. “Gostei tanto da ideia que penso em ampliar aqui mesmo montando mais um contêiner em cima”.


Em vários lugares do mundo, a versatilidade e o menor custo de implantação dos contêineres tem se mostrado uma boa opção para quem pretende montar um negócio. E o leque de possibilidades é bem amplo. Até mesmo para um motel. E quem assegura isso é o empresário Gleisson Nascimento que há seis anos montou o primeiro Motel Container em Fortaleza. Hoje já são três estabelecimentos do tipo. Cada empreendimento possui 17 suítes, sendo cada uma um contêiner.


“Abrir um motel custa muito caro e um dos grandes dilemas é a localização. Encontrar prédios prontos é muito difícil, fazer do zero também. Os terrenos e a construção custam muito caro e demandam bastante tempo. Então, uma vez quando fui deixar meus filhos na escola vi um caminhão de transporte de contêiner passando e pensei que ali poderia ser uma solução. Comecei a pesquisar e vi que tinha viabilidade”.


A primeira adequação do espaço não foi fácil. Foram vários testes para assegurar o isolamento acústico ideal, garantir a infraestrutura hidráulica, elétrica e também o conforto que este tipo de negócio exige. Mas, uma vez encontrado o formato, a mobilidade se mostrou outra vantagem. “Se fosse no modelo tradicional e decidisse mudar de lugar perderia todo o investimento feito, agora levo para qualquer lugar. Hoje monto em 20 dias uma suíte completa, com isolamento acústico, conforto térmico, banheira de hidromassagem, com tudo pronto e levo para o local”, conta Gleisson, ressaltando que a quantidade de ‘suítes contêineres” podem ser aumentadas ou diminuídas de acordo com a demanda. Hoje, ele até aluga para eventos em outros locais.


A estética também conta muito, por isso, o empresário optou por manter o padrão de luxo do outro motel que tem no formato tradicional. O piso, por exemplo, é de porcelanato. O que não faz do novo empreendimento exatamente barato. O primeiro motel com dez contêineres custou em torno de R$ 1 milhão. “Mas poderia ter saído muito mais caro do outro jeito”, diz Gleisson ressaltando que tão logo viu que a ideia deu certo tratou de registrar a patente tanto da marca, como do projeto. “O inusitado faz toda a diferença. As pessoas não acreditam quando veem a qualidade da suíte, que não deixa nada a dever do que outra tradicional. Muitos tiram foto e até me ligam para elogiar”. (Irna Cavalcante)

 

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia