Indústria 24/09/2016

Nova etapa do Brasil Mais Produtivo deve começar em outubro

Em fase piloto, projeto ajudará 50 empresas a terem eficiência energética. Em 2017, deve chegar a todos os estados
notícia 0 comentários
{'grupo': '.', 'id_autor': 19052, 'email': 'irnacavalcante@opovo.com.br', 'nome': 'Irna Cavalcante'}
Irna Cavalcante irnacavalcante@opovo.com.br


Uma nova versão do Brasil Mais Produtivo deve ter projeto piloto lançado em meados de outubro, visando eficiência energética, com 50 empresas assistidas. Se o modelo for aprovado, a nova linha deve ser estendida para todos os estados em 2017. A informação é do ministro Marcos Pereira (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), que esteve ontem em Fortaleza para lançar a primeira fase do programa, além do Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE). Outro projeto a ser executado é plano de desburocratização, que deve ser entregue em 60 dias por um grupo de trabalho do órgão.


 

Segundo Pereira, hoje, no Brasil, as empresas gastam mais de 2.600 horas por ano apenas para cumprir obrigações acessórias, o que eleva significativamente o custo Brasil. “Se o Governo não atrapalhar, ele já ajuda, porque quem tem que gerar emprego é o setor produtivo. E emprego é o melhor programa social”.


O ministro destacou que, embora já se perceba alguns sinais de recuperação econômica, especialmente na confiança do empresariado, continua sendo um grande desafio para o Governo e para os setores encontrarem novas saídas de desenvolvimento, principalmente, em tempos de ajuste fiscal e de crédito reduzido.


“Para que a indústria possa manter o seu protagonismo e retomar o seu crescimento, nós entendemos que é preciso melhorar a sua competitividade e produtividade. Temos trabalhado também na inserção das novas empresas no comércio internacional, que é uma alternativa quando o mercado interno está recessivo”.


No evento, na Casa da Indústria, o governador Camilo Santana reforçou junto ao ministro a necessidade de um olhar mais atento do Governo Federal para a questão da seca. “Um dos nossos maiores problemas é a seca, que castiga o povo cearense há anos e prejudica muito as nossas exportações, principalmente de frutas. Temos uma fruticultura muito forte que não está se desenvolvendo como poderia”.


Conforme O POVO antecipou na edição de ontem, na primeira etapa do Brasil Mais Produtivo, serão beneficiadas 120 empresas dos setores metalomecânico, de confecções e de calçados no Ceará. Durante três meses, estas receberão consultoria e acompanhamento para reduzir desperdícios e aumentar a produtividade em pelo menos 20%.


Já o PNCE tem o objetivo de incentivar o aumento das exportações de produtos e serviços. As empresas terão acompanhamento permanente com ferramentas de treinamento, capacitação, consultoria para adequação de produtos, e identificação de mercados.

 

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia