Plano 21/09/2016

Petrobras deixa setores e reduz investimentos em 25%

Com novo plano de negócios, empresa deve vender usina em Quixadá e seis campos no Ceará
notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br
AGÊNCIA PETROBRAS
Petrobras vai se concentrar em prospecção e produção de petróleo


A Petrobras anunciou ontem, no Plano de Negócios e Gestão 2017-2021, sua retirada “integral” dos setores de produção de biocombustíveis, distribuição de GLP (gás de cozinha), produção de fertilizante e das participações da companhia na petroquímica. O novo plano prevê investimentos de US$ 74,1 bilhões. O volume é 25% menor que o previsto no plano anterior para o período 2015-2019, que foi revisado em janeiro deste ano e que previa investimentos de US$ 98,4 bi.


 

O planejamento continua descartando a construção de refinaria e a usina de biodiesel, em Quixadá, é um dos bens que a empresa deve vender. As decisões agradaram o mercado financeiro. Após a divulgação as ações da estatal avançaram acima dos 3%, acumulando valorização de mais de 100% no ano.


Ceará

Além da venda da usina de Quixadá, a Petrobras também deverá repassar seis campos maduros off shore no Ceará. É o que avalia o consultor na área de petróleo e gás Bruno Iughetti. “A venda, porém tem por escopo não impactar a mão de obra que está sendo usada nesses equipamentos”.

 

Ele acrescenta que o Plano anunciado, é considerado como mais apropriado e realista. “Haverá certamente um fortalecimento nas atividades operacional e de segurança favorecendo o atingimento da produção de 2,7 milhões de barris diários em 2021”, avalia.


O coordenador dos Cursos de Engenharia da Devry Fanor e especialista em petróleo e gás, Edilson Duarte, concorda. Analisando sob a ótica da empresa, destaca que a redução foi positiva e vai contribuir para o equilíbrio da Petrobras. Porém tem impacto negativo sobre a infraestrutura do País. “Deixa fora dos planos uma refinaria até 2021, só disponibilizando 17% para o refino”.


Além disso, sem refino a gasolina vai continuar cara porque o Brasil extrai a matéria prima exporta e compra mais caro. “Não temos refinarias suficientes”. Ele considera que com que esse plano onde a Petrobras destina 82% do investimento total para a exploração e produção, com ênfase em águas profundas, a situação do Ceará piora.


Bruno Iughetti acrescenta que os investimentos de US$ 75 bilhões, representados por US$ 15 bilhões ao ano, são um indicador para o mercado de que a Petrobras no período 2017/2021 será muito mais seletiva em seus ativos. “O objetivo principal do novo Plano é reduzir o endividamento da empresa que atualmente representa US$ 123,9 bilhões”.

 

Saiba mais


Principais pontos do Plano de Negócios


O Plano 2017-2021 prevê investimentos de US$ 74,1 bilhões, sendo 82% deste valor para a área de exploração e produção


O volume de investimento é 25% menor que o previsto no plano anterior para o período 2015-2019, que foi revisado em janeiro deste ano e que previa investimentos de US$ 98,4 bilhões


A empresa quer otimizar o portfólio de negócios, saindo integralmente das atividades de produção de biocombustíveis, distribuição de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), produção de fertilizantes e das participações em petroquímica


Estão previstos US$ 19,5 bilhões de parcerias e desinvestimentos no biênio 2017/2018


A Petrobras também vai investir mais em segurança para diminuir riscos de acidentes. A meta é reduzir em 36% a Taxa de Acidentados Registráveis

 

> TAGS: petrobras ceará
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Jornal de Hoje | Economia