Prévia do PIB 20/09/2016

Ceará e Brasil iniciam trimestre em queda

notícia 0 comentários


A atividade econômica brasileira continua em queda. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerada uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), iniciou o terceiro trimestre de 2016 no vermelho. O recuo em julho foi de 0,09% em dados dessazonalizados. Ceará e Região Nordeste têm comportamentos parecidos. Respectivamente -0,1% e -0,5%.


O economista Henrique Marinho explica que o resultado do Ceará reflete principalmente a situação do comércio e serviços, que vêm apresentando desempenho negativo. “O mesmo acontecendo com a indústria, que ainda não reverteu o comportamento contracionista”. Ele observa ainda que, apesar do pouco peso no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB), as previsões de quebra de safra agrícola devido a mais um ano de seca tem forte impacto na economia do Interior do Estado e no sentimento de negativismo.


O analista do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), Nicolino Trompiere, afirma que em relação ao Nordeste, na comparação de julho de 2016 com julho de 2015 a queda foi de 5,6%. No Ceará a queda foi de 5,1%. “Os resultados mostram que a crise macroeconômica ainda persiste em 2016, dado que a previsão do último boletim Focus do Banco Central de 16/09/16 apresenta uma queda na taxa de crescimento do PIB para o Brasil de 3,15%”.


Trompiere considera ainda que os altos índices de desemprego verificados no Nordeste e no Ceará diminuem a massa salarial, reduzindo o consumo e afetando o comércio. “As reformas no Congresso em direção ao reequilíbrio fiscal são urgentes para a retomada da confiança, bem como a atuação do Banco Central na redução da inflação, para que assim a retomada do crescimento econômico seja verificada em 2017”. (Artumira Dutra)



espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia