Eólica 17/09/2016

Subestação é energizada e amplia potencial do Ceará

A subestação Ibiapina II foi energizada pela Chesf e amplia as chances do Ceará ter mais projetos de parques eólicos cadastrados em leilão de reserva
notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 18866, 'email': 'beatrizsantos@opovo.com.br ', 'nome': 'Beatriz Cavalcante'}
Beatriz Cavalcante beatrizsantos@opovo.com.br
CAMILA DE ALMEIDA
O próximo leilão de reserva será realizado em dezembro e Ceará poderá concorrer com parques eólicos


A oferta de energia gerada em parques eólicos deve crescer no Ceará. Isso porque a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) energizou a subestação Ibiapina II, situada na Serra da Ibiapaba, que agora pode fazer a transmissão do que é gerado nos parques.


O investimento para a obra foi de R$ 30 milhões e a potência da subestação é de 230/69 e 200 megavolts-ampères (MVA), entrando em operação, de imediato, 100MVA. Assim, haverá acréscimo de oferta de energia a partir das usinas eólicas de 290MW que serão instaladas no Estado.


Para tanto, foi necessária, ainda, a construção de 11 quilômetros (km) de linhas de transmissão, em 230MVA, circuito duplo, que seccionou a antiga linha Piripiri/Sobral II, formando as novas linhas Piripiri / Ibiapina II e Ibiapina II Sobral II.


O empreendimento também suprirá diretamente os municípios de Ibiapina e Tianguá, com população superior 100 mil habitantes, e gerará Receita Anual Permitida (RAP) de mais de R$ 2,9 milhões.


Jurandir Picanço, presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis, avalia que a energização da subestação é uma notícia excelente para o Estado, porque permite a criação de novas linhas de transmissão, maior gargalo do setor de energia do Ceará.


“Vai permitir a ampliação e ligação de novos parques eólicos e solares. Qual era a maior dificuldade do Estado? Era a existência de linhas para escoar energia. Mas o Governo do Estado espera isso e muito mais. É preciso que outros sistemas sejam criados para ter potencial de desenvolver outros projetos”, detalha.


Em relação ao alcance da obra, Picanço diz que a subestação é da rede básica e vai permitir saírem novas linhas de transmissão de energia para atender subestações da concessionária Companhia Energética do Ceará (Coelce), parques eólicos e também empreendimentos fotovoltaicos (matriz solar). “O raio de atuação é muito grande. Então tem parques eólicos de grande porte que ligam diretamente à subestação”, afirma.


Leilão

O próximo leilão de energia será o de reserva, a ser realizado em dezembro desse ano. Para o certame, foram selecionados 64 projetos no País. E com a energização da subestação Ibiapina II o Ceará poderá concorrer e ter mais chances de cadastrar projetos, pois terá para onde escoar a energia. Porém, alguns projetos ainda vão ficar de fora, pois a subestação não resolve o problema de falta de linhas de transmissão no Estado.

 

O POVO procurou a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) para saber o número de projetos do Ceará que foram selecionados para o leilão de reserva a ser realizado em dezembro. A EPE informou, por meio de nota, que os números de cada estado “não são mais divulgados anteriormente” ao certame e somente serão conhecidos na realização do leilão.

 

> TAGS: energia eólica
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia