Greve 09/09/2016

Começa a faltar dinheiro nos caixas eletrônicos dos bancos

Os bancos particulares ainda não aderiram à paralisação, mas não descartam greve. O dia nos postos de autoatendimento dos bancos públicos é de dificuldades para os clientes
notícia 3 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 19040, 'email': ' andresongurgel@opovo.com.br', 'nome': 'Anderson Cid'}
Anderson Cid andresongurgel@opovo.com.br
CAMILA DE ALMEIDA
No Banco do Brasil da avenida Santos Dumont clientes esperavam orientações para efetuar transações nos caixas eletrônicos


Com a paralisação dos bancários, iniciada na última terça-feira, 6, começam a aparecer dificuldades no atendimento dos clientes. Na manhã de ontem, o movimento era maior e os transtornos mais frequentes nos bancos públicos, onde grande parte das agências já está com as atividades paralisadas.


 

No entanto, no corredor bancário da avenida Santos Dumont, na Aldeota, as instituições privadas ainda estavam todas funcionando normalmente: Itaú, Bradesco e Santander estavam oferecendo atendimento bancário sem interferência da greve. Mas, segundo os funcionários, isso pode mudar assim que o Sindicato dos Bancários do Ceará cobrar que as agências paralisem as atividades.


Nos bancos públicos, a situação é diferente: na Caixa Econômica e no Banco do Nordeste, clientes denunciam que alguns caixas já estão sem dinheiro. Os bancários já não estão atuando, mas há alguns funcionários à disposição próximos aos pontos de autoatendimento, para orientar clientes.


Ainda assim, os profissionais acabam fazendo falta: “Vim aqui anteontem para receber meu benefício e não consegui”, conta a aposentada Maria Morais, que foi até a agência da Santos Dumont do Banco do Nordeste para resolver o problema. Ontem, indo pela segunda vez desde o início da greve, conseguiu retirar o auxílio com ajuda de Ivoneide Marques, recepcionista da instituição.


Ivoneide, a postos próximo aos caixas eletrônicos, conta que a procura dos clientes tem crescido desde o início da greve. Apesar do auxílio oferecido aos clientes que estiverem tendo dificuldade, ela conta que há operações que não podem ser realizadas nos caixas automáticos, como os depósitos.


No Banco do Brasil, por outro lado, os clientes reclamaram de falta de profissionais para ajudar os clientes durante a paralisação. Lotada pelo período da manhã, a sede da instituição localizada na avenida Santos Dumont acumulava filas numerosas.


“É uma falta de respeito que não tenha ninguém para atender nem ao menos os idosos”, considera Maria das Graças, comerciante. Ela conta que foi até a agência resolver pendência de seu cartão de crédito e, enquanto não consegue, os juros vão se acumulando.


A farmacêutica Lurdes Castro tentava resolver um problema relacionado ao limite de seu cartão de crédito, mas esperava por um funcionário sem ter resposta. “Toda greve tem esses transtornos”, diz.


Já Najla Chehab, aposentada, não estava conseguindo usar o cartão do INSS nas máquinas, que diziam que o cartão estava bloqueado ou ilegível. Como resultado, Najla era um dos clientes que estavam esperando que um funcionário do banco aparecesse para lhe atender.


“A greve é de direito, mas acho que ela não devia penalizar os clientes”, conta. No entanto, ela diz que a situação na agência ainda é melhor do que na de outra unidade do Banco do Brasil, onde havia tido dificuldades já depois do início desta paralisação.


Além da falta de suporte por parte do banco, diversos clientes reclamaram que não há dinheiro nos caixas de autoatendimento, o que acabou gerando outras complicações, como aumento no tamanho das filas. No fim da manhã, período que a reportagem esteve no local, apareceu um funcionário que ajudou alguns clientes a resolverem pendências, mas durante a maior parte do tempo a agência estava sem atendimento disponível.

 

> TAGS: economia
Erro ao renderizar o portlet: Interna - Noticia Comentario

Erro: 'utf8' codec can't decode byte 0xe1 in position 35: invalid continuation byte
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia