Fortaleza 07/09/2016

Hapvida apresenta projeto de hospital para mulher

O Ceará tem 212,2 mil mulheres a mais do que homens, segundo dados do Hapvida. Carência de atendimento motivou ideia de novo hospital com 156 leitos
notícia 0 comentários
{'grupo': '.', 'id_autor': 19052, 'email': 'irnacavalcante@opovo.com.br', 'nome': 'Irna Cavalcante'}
Irna Cavalcante irnacavalcante@opovo.com.br
DIVULGAÇÃO
Projeto do Hospital Eugênia Pinheiro. Perspectiva é inaugurar primeira fase com a estrutura básica no primeiro semestre de 2017


O Hapvida anunciou ontem a construção do primeiro hospital da rede exclusivo para saúde da mulher no Ceará. Com investimento de mais de R$ 20 milhões, o empreendimento que terá 156 leitos e uma ala específica para parto humanizado será inaugurado no primeiro semestre de 2017.


O hospital que receberá o nome de Eugênia Pinheiro, em homenagem à matriarca da família Pinheiro, vai funcionar onde fica hoje a Hapclínica da avenida Heráclito Graça, no Centro. Para isso, serão feitos investimentos em equipamentos e reforma estrutural completa para adequação do espaço.


O grupo informa que o atendimento eletivo que é feito atualmente na unidade está sendo transferido gradativamente para as hapclínicas localizadas nas avenidas Aguanambi e Dom Manoel. Somente quando este processo for concluído é que as obras serão iniciadas.


A diretora de Comunicação e Marketing do Hapvida, Simone Varella, explica que a ideia de fazer um hospital exclusivo para o atendimento à mulher veio da própria demanda percebida pelo plano de saúde, amparada também em dados estatísticos da população que mostram que o Ceará tem 212,2 mil mulheres a mais do que homens. Além disso, ela diz que esta é uma carência do setor hospitalar como um todo. Nos últimos dez anos, o Ceará perdeu em torno de 16 hospitais e mais de mil leitos.


O novo hospital terá, dentre outros serviços, UTI neonatal, centro obstétrico com salas de parto adequado, centro cirúrgico, espaço mãe canguru, banco de leite, consultórios ginecológicos, salas de observação de alto risco, unidade de diagnóstico por imagem, laboratórios e lactário.


“Não será uma adaptação para a mulher como vemos em muitos hospitais. Teremos um centro obstétrico para parto humanizado com salas que vão permitir camas PPP, hidromassagem para parto na água, além de um espaço para garantir a presença da família. Além de uma série de outros serviços”, afirmou o superintendente da rede hospitalar do Hapvida, Cláudio de Simone.


Ele explica que a primeira fase será inaugurada com a estrutura básica. E na segunda etapa, prevista para operar até o início de 2018, os atendimentos serão ampliados com uma grande estrutura de serviços de diagnóstico anexa ao prédio que também será exclusiva às mulheres. Entre 800 a mil empregos diretos serão gerados quando o hospital estiver em operação.


Ontem, no lançamento do projeto, o presidente da Federação Brasileira dos Hospitais (FBH), Luiz Aramicy Pinto, destacou a importância do empreendimento em um momento de encolhimento do setor. “Essa iniciativa do sistema Hapvida vai trazer uma expectativa positiva às mulheres não só em Fortaleza, em todo Estado”.


Simone Varella explicou que o novo hospital faz parte do plano de investimentos estimado em R$ 180 milhões para este ano nas unidades das regiões Norte e Nordeste, áreas onde o grupo atua. Em Fortaleza deve ser inaugurada até o primeiro trimestre de 2017 também uma nova clínica na avenida Washington Soares voltada para atendimento clínico e laboratorial.


Com 3,3 milhões de clientes, o grupo pretende lançar ainda este mês um hospital na Bahia ampliar a rede em Recife (PE).

 

> TAGS: economia
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Economia