Energia 31/08/2016

Apagão atinge mais de 1 milhão de consumidores no CE

Corte de energia durou 31 minutos, em estados do Norte e Nordeste. No Ceará, falta de energia atingiu Fortaleza, Cariri, Norte e Sertão Central
notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br


Consumidores do Ceará e de mais 11 estados tiveram, ontem, cortes parciais de energia elétrica. No Ceará, o desligamento automático determinado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em conjunto com as distribuidoras, deixou mais de um milhão de consumidores sem energia elétrica por mais de meia hora. Alguns bairros de Fortaleza, municípios da Região Metropolitana e cidades do Interior. Nos bairros de Montese e Parangaba, os semáforos ficaram desligados por cerca de 30 minutos, ocasionando problemas no trânsito. Municípios da Região Norte, Cariri e Sertão Central também foram atingidos. A ocorrência durou 31 minutos e foi normalizada totalmente as 13h20min, segundo a Companhia Energética do Ceará (Coelce).


Uma falha em uma linha de transmissão da Eletronorte no Tocantins afetou as regiões Norte e Nordeste do País. Segundo informações da Companhia de energia no Tocantins (Energisa), o problema foi causado por queimadas próximas à rede. O ONS informou que 12 estados tiveram o fornecimento prejudicado e que o desligamento parcial foi uma ação necessária para reequilibrar o sistema interligado.


A Coelce não informou as regiões onde foi efetuado o corte nem a carga retirada. Em nota, disse apenas que uma falha no Sistema Interligado Nacional (SIN) causou a interrupção do fornecimento de energia em parte do Estado na tarde de ontem.


O coordenador de Energia da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (Arce), Eugênio Bittencourt, informou ao O POVO que a suspensão temporária no fornecimento de energia atingiu mais de um milhão de consumidores cearenses. Em todo o Estado são cerca de quatro milhões. Explicou que não é a primeira vez e que esse tipo de desligamento é comum entre agosto e outubro por causa de incêndios nas regiões mais secas do País que atingem linhas de transmissão. O ONS diz se reunirá com os agentes envolvidos para analisar a ocorrência.


Interrupção

Segundo o ONS, responsável pela coordenação e controle da operação das instalações de geração e transmissão de energia elétrica no SIN, às 12h14min ocorreu o desligamento automático do circuito 3 da linha de transmissão em 500 kV Miracema – Colinas, pertencente à transmissora Intesa, não sendo obtido sucesso em seu religamento automático.

 

Às 12h49min, os circuitos 1 e 2 da mesma linha de transmissão, pertencentes à Eletronorte e Taesa, respectivamente, assim como a linha de transmissão em 500 kV Rio das Éguas – Bom Jesus da Lapa II, de propriedade da Taesa, também foram desligados automaticamente.


“Em consequência da queda da frequência, houve o desligamento automático de cerca de 2.300 MW de geração, sendo 1.700 MW relativos a usinas térmicas e 600 MW a eólicas, nas regiões Norte e Nordeste”, completa a nota do ONS.


Acrescenta que a correta atuação do Esquema Regional de Alívio de Carga (ERAC) promoveu cortes de carga para reequilibrar geração e demanda. De acordo com o sistema de supervisão do ONS, houve a interrupção de cerca de 3.500 MW de carga, sendo 2.700 MW na região Nordeste (26% da carga total dessa região no momento) e de cerca de 800 MW na região Norte (14% da carga total da região no momento).


Seguindo o princípio de efetuar desligamentos de carga, de acordo com o ONS, a interligação entre os dois sistemas foi recomposta às 13h07min.

 

NÚMEROS

 

12

ESTADOS

tiveram o fornecimento prejudicado por um desligamento parcial

 

> TAGS: economia
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Jornal de Hoje | Economia