Câmbio 19/08/2016

Dólar opera em alta e volta a passar de R$ 3,20

O aumento de ontem, ainda que leve, contrasta com o recuo do início desta semana. Na última segunda-feira, a moeda estava sendo negociada a R$ 3,17
notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 19043, 'email': 'ligiacosta@opovo.com.br', 'nome': 'L\xedgia Costa'}
Lígia Costa ligiacosta@opovo.com.br


Após acumular queda de 0,96%, desde o início de agosto, o dólar mudou de direção ontem e voltou a operar em alta, passando dos R$ 3,20. Na máxima do dia, subiu 0,77%, comercializado a R$ 3,2361. Na véspera, a moeda norte-americana já havia subido 0,54%, vendida a R$ 3,21.


O aumento, ainda que leve, contrasta com o recuo verificado no início da semana. Na última segunda-feira, por exemplo, o dólar estava sendo negociado a R$ 3,177 e chegou a bater R$ 3,159 na mínima do dia.


Ricardo Coimbra, economista e mestre em Economia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), não considera a recente alta da moeda significativa. “A elevação da taxa de câmbio em relação à média dos últimos meses está relativamente baixa”, afirma.


Ele calcula que a variação - entre R$ 3,14 e R$ 3,30 - deve se manter até o julgamento final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.


“Ainda existe incerteza e, até a definição do impeachment, o mercado vai tentando se acomodar. Parte dos investidores externos se retraíram nesse momento e a demanda aumenta em relação à oferta de divisas”.


Uma queda só poderá ser drástica, diz ele, se o fluxo de investimentos externos voltar imediatamente após o fim do processo político. “Isso vai depender de como o mercado vai observar o novo governo”, avalia.

 

Juros americanos

Além da espera pelo futuro político do Brasil, Ricardo atribui a alta do dólar à indecisão sobre a elevação da taxa de juros nos Estados Unidos.

 

Mário Monteiro, economista e professor do curso de economia, reitera que questionamentos em relação aos juros americanos e fatores internos têm levado o dólar a operar com instabilidade, mas que a variação do dólar é “normal”. “Imagino que, nos próximos meses, vai ficar flutuando nessa casa de três baixo”.


Uma ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) divulgada nesta última quarta-feira, 17, mostrou que alguns dirigentes consideram apropriada uma nova alta nos juros em breve. “Está próximo de acontecer essa elevação de taxa de juros”, prevê Ricardo.

 

Dicas


PARA COMPRAR DÓLAR


1 Compra inteligente

Dilua a compra da divisa e obtenha o valor necessário aos poucos. Desta forma, possíveis taxas altas são mais facilmente evitadas

2 Avaliação

Observe a tendência do mercado, de médio e longo prazo. A compra pode se basear nas futuras definições políticas internas e na política monetária americana. Ambas incidem diretamente sobre o valor da divisa

3 Pesquisa

Como em toda compra, é importante pesquisar o valor da divisa em diferentes casas de câmbio. Uma diferença de 1 a 2 centavos podem fazer uma grande diferença no final

4 Compra segura

Não comprar divisas em casas de câmbio credenciadas significa maior risco de falsificação. Saiba a origem da moeda e evite comprar de terceiros.

 

> TAGS: economia
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Jornal de Hoje | Economia