INVESTIMENTOS 01/08/2016

Aproveite antes que os juros caiam

Os juros devem começar a cair ainda neste ano, mas ainda dá tempo de aproveitar as taxas em alta para lucrar
notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 19043, 'email': 'ligiacosta@opovo.com.br', 'nome': 'L\xedgia Costa'}
Lígia Costa ligiacosta@opovo.com.br

Embora se mantenham estáveis, há consenso no mercado de que os juros devem começar a cair ainda neste ano. Até lá, quem tem dinheiro para aplicar pode se planejar para tirar melhor proveito das taxas mais altas.

 

O economista Vitor Leitão observa que o mercado já espera uma queda na rentabilidade de aplicação, inclusive no Tesouro Direto, programa de compra e venda de títulos públicos. Mas ele acredita que, ainda assim, vale a pena investir em títulos do Tesouro Direto. A principal dica é priorizar títulos públicos atrelados à inflação, como o Tesouro IPCA+, cuja rentabilidade é dada pela variação do IPCA + 6%, aproximadamente. “O Tesouro IPCA+ é um título com rentabilidade interessante e que vai proteger o consumidor da inflação”.


Os títulos públicos são divididos em duas categorias: os prefixados e os pós-fixados. Porém, considerando o cenário econômico atual, Vitor sugere como melhor saída a aplicação dos recursos no Tesouro Prefixado, cuja rentabilidade hoje varia em torno de 11,84% e 12,34%. “Quando você vai comprar esses títulos eles têm rendimentos diversos, com vencimento para quando eu quiser”.


Economista e professor de Economia, Ricardo Coimbra reitera a preferência pela operação prefixada. “O ideal é tentar acompanhar a expectativa da inflação e da taxa de juros. Se sabe que a tendência é de a taxa de juros cair, já prefixa essa taxa hoje e já sabe quanto vai ganhar no futuro”.


Conforme Vitor, aplicações no Tesouro Prefixado e no Tesouro IPCA+ têm como principais vantagens o baixo risco de perder dinheiro no futuro e a liquidez diária.


Para o economista, outras aplicações de boa rentabilidade enquanto os juros não são reduzidos são os CDBs, LCIs e LCAs, produtos bancários de renda fixa. “A sugestão é distribuir as três aplicações em bancos menores, que costumam oferecem melhor rentabilidade. Para essas aplicações, o investidor também não deve ultrapassar o limite de R$ 250 mil, que é o máximo garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC)”.


As aplicações CDB, LCI e LCA também tendem a apresentar rentabilidade superior a dos títulos públicos, mas não possuem liquidez, pois a aplicação só pode ser resgatada após um período que varia em torno de um a cinco anos.


“Para essas aplicações, o investidor não deve ultrapassar o limite de R$ 250 mil, que é o máximo garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC)”, complementa.

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

24h|48h Últimas

Jornal de Hoje | Economia