LEI SANCIONADA 29/07/2016

Comércio é obrigado a registrar queixa de cliente

Livro de Reclamações deve estar disponível em lojas do Ceará. Queixas devem ser arquivadas por cinco anos
notícia 6 comentários
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 19076, 'email': 'larissa.pacheco@opovo.com.br', 'nome': 'Larissa Pacheco'}
Larissa Pacheco larissa.pacheco@opovo.com.br
FÁBIO LIMA
Consumidores poderão registrar reclamações direto nas lojas, sem a necessidade de irem ao Procon/Decon


E ntrou em vigor, ontem lei sancionada pelo Governo do Estado que obriga a todos os estabelecimentos de fornecimento de bens ou prestação de serviços do Ceará a registrarem e arquivarem queixas de consumidores por um prazo de cinco anos.


Para isso, as empresas devem disponibilizar o Livro de Reclamações do Consumidor. Por meio dele, o cliente poderá registrar queixas no próprio estabelecimento, que deverão ser encaminhadas pelas empresas aos órgãos de defesa do consumidor. A sanção da lei 16.074/2016 foi publicada, ontem, no Diário Oficial do Estado (DOE).


De acordo com deputado estatual Joaquim Noronha (PRP), autor da lei, o intuito é fazer com que os estabelecimentos tenham mais cuidado no atendimento e ainda proporcionem maior comodidade ao consumidor na hora de buscar seus direitos.


“O livro é uma vitória para o consumidor que agora não precisa mais se descolar para fazer sua queixa. Antes, ele acabava desistindo por ter que fazer o procedimento junto ao órgão regulador. Agora, ele ainda poderá acompanhar seu processo no site dos órgãos”, diz.


Para Cláudia Santos, diretora geral do Procon Fortaleza, além de dar ao consumidor o direito de reclamar no momento da insatisfação, a lei pode proporcionar maior agilidade da resolução dos problemas “Dá também a oportunidade de a empresa resolver a demanda diretamente com o consumidor”.


Em caso de descumprimento, os estabelecimentos poderão ser interditados no exercício da atividade e privados do direito a subsídio ou benefício outorgado por entidade ou serviço público.


Lojistas

Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDF-Fortaleza), Severino Ramalho Neto, apesar de serem orientados a se adequarem à lei, os lojistas acreditam que a ela não é bem-vinda. “Todos devem cumprir, mas acaba tendo mais uma obrigatoriedade, com mais custos operacionais que acabam encarecendo o produto”, diz.

 

Para Severino, tanto o Procon quanto Decon já cumprem bem o papel de fiscalizar o comércio. “A preocupação em atender bem já existe. Além disso, (a lei) acaba provocando outra vantagem para as lojas virtuais, que não terão esse custo operacional”, afirma.

 

 

Saiba mais


A Lei Nº16.074 torna obrigatória a disponibilização do Livro de Reclamações ao consumidor em todos os estabelecimentos de fornecimento de bens ou prestação de serviços no Ceará


O estabelecimento deve disponibilizar o livro sempre que lhe seja solicitado


Deve afixar, em local de fácil visualização e com caracteres legíveis pelo consumidor, um letreiro com a frase :“Este estabelecimento dispõe do Livro de Reclamações do Consumidor”

 

O estabelecimento deve manter, por um período de 5 anos, um arquivo organizado dos Livros de Reclamações do Consumidor que tenha encerrado


A reclamação será formulada em folha, que será composta por três vias, sendo obrigatoriamente a 1ª via encaminhada ao órgão fiscalizador competente


A 2ª via entregue ao consumidor e a 3ª via que faz parte do Livro do e dele não pode ser retirada


O consumidor deve: preencher de forma correta e completa todos os campos relativos à sua identificação e endereço; descrever de forma clara e completa os fatos que motivaram a reclamação, devendo constar assunto, hora, data

 

> TAGS: 0
espaço do leitor
Alfredo Parente 01/08/2016 09:49
Se cada reclamação que chegar ao órgão fiscalizador for aberta um processo, vai ter que multiplicar em 10 o número de servidores. E talvez nem vá dar conta!
Markinhosmartins 29/07/2016 21:30
A verdade é que os erviços precisam melhorar e muito!A preocupação e lei de proteção são procedentes!
Ivo Acioly 29/07/2016 12:29
Resta saber aonde compra esse bendito livro.
Ivo Acioly 29/07/2016 12:28
Resta saber aonde compra esse bendito livro.
Augusto Lima 29/07/2016 12:11
Vai solicitar este livro na mercearia, bar da periferia ou outro comércio similar. Mais uma obrigação para encher a paciência de quem já trabalha dentro da legalidade e suporta uma carga tributária elevadíssima sem nenhuma contra prestação do governo.
Ver mais comentários
6
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Mais comentadas

anterior

próxima

Jornal de Hoje | Economia