ATÉ 2019 19/02/2016

CE vai gerar 14,7% da energia eólica do País

A capacidade instalada de geração eólica do Ceará deve dobrar nos próximos três anos, se consideradas usinas em construção e as que ainda não tiveram obras iniciadas. Entretanto, setor ainda precisa superar gargalos
notícia 8 comentários
{'grupo': '.', 'id_autor': 19052, 'email': 'irnacavalcante@opovo.com.br', 'nome': 'Irna Cavalcante'}
Irna Cavalcante irnacavalcante@opovo.com.br
DIVULGAÇÃO
Workshop Tributação e Energias Renováveis reuniu especialistas do setor na manhã de ontem


Em 2019, o Ceará vai responder por 14,7% de toda a energia eólica produzida no Brasil. Os números são de um estudo da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), de janeiro deste ano. A pesquisa mostra que, se contadas as usinas em construção e as que ainda não foram iniciadas, a previsão é de que a capacidade de geração eólica do Estado que era de 1.254,2 MW, em dezembro de 2015, alcance 2.579,2 MW nos próximos três anos. Um crescimento de 105% no período. O estudo foi apresentado no workshop Tributação e Energias Renováveis, que reuniu especialistas do setor na manhã de ontem em Fortaleza.


 

O potencial de expansão é ainda maior. Pelo acordo assinado na cúpula do clima de Paris, COP 21, o Brasil tem aumentar de 28% para 33% o uso de energia de fontes renováveis - eólica, solar, biomassa e biocombustíveis.


Hoje a produção cearense representa 16,1% da capacidade de geração eólica do Brasil. No quadro geral, a região Nordeste é responsável por 76,3% dos 7.793,5 MW de energia eólica em operação no Brasil.


 

A participação da energia eólica na matriz brasileira, no entanto, ainda é pequena. Apenas 5,5%, mas a tendência é de crescimento. Para se ter uma ideia, há cinco anos, a participação era de apenas 1%. Pelo Plano Decenal de Expansão de Energia, deve chegar a 24% em 2024. A participação da energia fotovoltaica, que hoje é praticamente zero, deve chegar a 7%.


Isso representa uma grande janela de oportunidade a ser explorada pelo Estado, afirma o presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis (CSRenováveis), Jurandir Picanço. “Todas as previsões indicam um forte crescimento da energia renováveis no horizonte de 2050”. Ele reforça que 85% da expansão planejada pelo Governo Federal está baseada em energias renováveis, sendo 49% para eólica.


Desafios

Os desafios, no entanto, continuam. Dentre estes, o de aumentar as linhas de transmissão. No Ceará, por exemplo, grandes áreas não podem ser exploradas porque não tem capacidade de escoamento. Picanço diz que, hoje, o Governo do Estado vem buscando soluções para superar gargalos, a exemplo do Plano Estadual de Energia e a criação de coordenadorias especializadas no monitoramento das obras. O objetivo é recuperar a liderança no setor eólico, que era do Ceará até 2012.

 

NÚMEROS

 

28%

é a participação de fontes renováveis  de energia no Brasil. Meta é chegar a 33%

 

espaço do leitor
Carlos Aurélio Santos Aurélio 19/02/2016 21:29
Alguém errou nos dados ou na digitação...a matéria está meio confusa...
MARKUS 19/02/2016 14:58
O MUNICIPIO DO EUZÉBIO DEVE FICAR SEM MAIS UMA EMPRESA SEM CONTRIBUIR E FORA DO MERCADO,DEMITINDO MAIS DE 180 FUNCIONARIOS POR CULPA,SEGUNDA ESTA EMPRESA ,POR CULPA DA COELCE.OBRIGADO MARKUS
MARKUS 19/02/2016 14:56
A B&Q DEMITIU CERCA DE 180 EMPREGADOS E FALOU PRA ESTES DESEMPREGADOS QUE O DESEMPREGO É DE CULPA DA COELCE. UMA PENA OBRIGADO MARKUS
MARKUS 19/02/2016 14:54
A COELCE ESTÁ SENDO CULPADA PELA SUA TERCERIZADA COM SÉDE NO EUZÉBIO,DE DEMITIR SEUS FUNCIONARIOS CERCA DE 180 EMPREGADOS NA RUA OBRIGADO MARKUS
MARKUS 19/02/2016 14:53
COMO ´PODE O CEARÁ SE DESTACAR SE A COELCE ANDA SUBORNANDO O PAGAMENTO DE SUAS TERCERIZADAS A B&Q QUE ESTÁ PRESTE A PEDIR FALENCIA COLOCANDO SEU FUNCIONARIOS NA RUA DAS AMARGURAS... ESTA FOI A RESPOSTA DADO AOS FUNCIONARIOS DEMITIDOS QUE FORAM CERCA DE 180 . MAIS UM EMPRESA FALINDO NO EUZÉBIO. OBRIGADO MARKUS
Ver mais comentários
8
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

Jornal de Hoje | Economia