Mobile RSS

rss
Assine Já
Crise 06/08/2012

Falta milho e frango pode encarecer

Agricultores brasileiros estão exportando milho e soja para os Estados Unidos e avicultores ficam sem alimento para as criações. A situação deve resultar no aumento do preço do frango para o consumidor
EDIMAR SOARES
Avicultores brasileiros se preparam para enfrentar uma crise na alimentação dos seus animais
Compartilhar


A safra norte-americana de milho e soja é ruim e o frango fica mais caro na mesa do brasileiro. A relação entre os dois passa por questões que envolvem o fornecimento do insumo necessário para alimento das produção nacional.


Com a falta do milho nos Estados Unidos, os produtores agrícolas brasileiros estão deixando de vender para os avicultores locais e preferindo exportar o grão.


Os 12% a menos de impostos que pagam para mandar o produto para fora do país. Além disso, existe a força de multinacionais compradoras do milho, da soja e fornecedoras do adubo que os agricultores usam no Brasil ou até financiadores da lavoura.


O resultado é que está faltando milho pra alimentar os frangos. E a consequência disso é que p preço sobe. “A nossa previsão é que, em outubro, haja aumento não apenas do frango, mas de toda proteína animal”, comenta Ronald Carneiro Câmara, diretor técnico da Cialne.


Ele afirma que, por enquanto, ainda é possível manter a produção porque a empresa está alicerçada em estoques para três meses, mas que outros produtores que compram pintinhos já estão cancelando os pedidos porque sabem que não será possível alimentá-los.


Brasil

No País, a situação não é diferente do Ceará. O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Francisco Turra, entregou ao ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, um conjunto de dados relativos à crise do setor e pediu o apoio do governo para minimizar os impactos sobre os criadores.

 

Mendes Ribeiro reiterou ao dirigente que o ministério está atento às dificuldades da avicultura e negociando formas de apoiar o setor.


“Vamos utilizar os instrumentos de política agrícola para que não faltem os produtos, assim garantiremos o abastecimento”, declarou.


Conforme Ronald Carneiro Câmara, a saída do governo seria uma intervenção para definir o estoque regulador e assim garantir a produção local.


“É preciso valorizar a venda de produtos com valor agregado e não os primários. Além disso, é importante considerar toda a cadeia de empregos gerados que vai desde os criadores dos animais, os produtores de ração, as transportadoras, os profissionais dos incubatórios de pintinhos”, lembra.


Em todo o Brasil, a avicultura emprega cerca de 720 mil profissionais na indústria e outras 3,5 milhões em atividades ligadas direta e indiretamente pelo setor. De acordo com o secretário de Política Agrícola do ministério, Caio Rocha, estão sendo tomadas medidas que devem amenizar as dificuldades do setor e tornar a avicultura competitiva.

 

Por quê


ENTENDA A NOTÍCIA


Os agricultores comemoram os preços recordes que estão conseguindo com as exportações aos Estados Unidos, que vivem a maior seca dos últimos 50 anos. Avicultores e suinocultores brasileiros se preparam para enfrentar uma crise na alimentação desses animais.

 

Números


5

milhões de quilos de carne de frango são produzidas por semana no Ceará

 

4

milhões de ovos são produzidos por dia no Ceará

 

42

milhões de quilos de milho são consumidos mensalmente na criação de aves no Estado do Ceará

 

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:

Mais comentadas

anterior

próxima