Mobile RSS

rss
Assine Já
Juros 09/05/2012

Instituições criticam pressão de Dilma por taxas menores

A Febraban comentou as medidas recentes do Governo Federal. Segundo a entidade, devido à crise mundial, a taxa cairia naturalmente
Compartilhar

 

Em seu relatório semanal, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) comentou as medidas recentes do Governo Federal para abrir espaço para queda da taxa básica de juros, a Selic.

 

A entidade diz acreditar que, devido à crise mundial, a taxa cairia naturalmente. “Nesse sentido, enquanto não houver indicações de uma recuperação importante da atividade doméstica e/ou seguirmos assistindo a uma piora das expectativas em relação ao cenário externo, o Copom continuará reduzindo a taxa Selic.”


As declarações da entidade indicam que o governo não pode obrigar os bancos a disponibilizarem mais crédito e, assim, reduzir os lucros, mesmo que Selic caia. A entidade acredita que o que tem impedido a alta do crédito -pretendida e estimulada pelo governo para aquecer a economia e a demanda interna- é inadimplência do consumidor, que vem aumentando.


“É possível criar condições mais favoráveis à expansão do crédito reduzindo as taxas básicas, mas uma ampliação efetiva das operações passa por uma postura mais agressiva, tanto dos emprestadores como dos tomadores de crédito, que depende de expectativas econômicas mais otimistas”, mostra o relatório da Febraban.


Segundo a entidade, esse é um paradoxo da conjuntura atual. “A piora nos indicadores abre espaço para quedas adicionais dos juros básicos, mas ao mesmo tempo parece impor uma cautela adicional aos agentes econômicos.”


Os bancos sinalizam que a redução da Selic pode não beneficiar ou chegar aos consumidores por dois motivos: as instituições podem segurar o volume de empréstimos (devido ao grau de insegurança e crescente de inadimplência) ou consumidor pode não ir atrás desses recursos porque já está endividado.


Nos resultados financeiros dos bancos, já houve desaceleração do lucro impulsionados pelo aumento do provisionamento com inadimplência (montante que um banco reserva para se proteger do inadimplemento de clientes).


Queda de braço

Antes da medida anunciada, o governo pressionou os bancos privados a baixarem as taxas de juros de suas operações, o que já havia gerado um desconforto entre o presidente da instituição, Murilo Portugal, e o Planalto que forçou os bancos a reduzir os lucros ao diminuir os “spread” bancário. O spread (diferença entre o custo dos bancos para captar recursos e o que cobram na ponta, de consumidores e empresas) ficou em 28 pontos percentuais no mês passado, abaixo dos 28,5 pontos percentuais registrados em fevereiro. As mudanças ainda demoram a ser sentidas pelo consumidor.

 

A queda de braço da Febraban e o governo teve a pressão aumentada pela redução nas linhas de crédito dos bancos públicos, capitaneada pelo Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.


Dados divulgados no fim de abril pelo Banco Central apontam que a inadimplência dos consumidores ficou em 7,4% em abril. No caso das empresas, o atraso de mais de 90 dias nos pagamentos se manteve em 4,1%. (da Folhapress)

 

Compartilhar
espaço do leitor
Neto 09/05/2012 16:59
Se apenas derrubar SELIC bastasse, além da crise internacional, realmente não seria necessário pressionar derrubada de juros dos bancos. Mas dado os bancos brasileiros do jeito que são, é necessário sim!
Este comentário é inapropriado?Denuncie
Clécio Oliveira 09/05/2012 04:07
Na realidade, neste embate, falta o governo federal(executivo) fazer a sua verdadeira parte, reduzindo as despesas de custeio da máquina, excessivamente inchada, dentre 'otras cositas mas'! E, "PT, fraudações"!
Este comentário é inapropriado?Denuncie
2
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

Mais comentadas

anterior

próxima