Promoção O POVO DIGITAL

por R$1,90

CLIQUE E CONFIRA
CASO ITALIANA 13/01/2015 - 09h00

Juiz revoga prisão temporária de farmacêutica Mirian França

A decisão ocorreu na manhã desta terça-feira, 13
notícia 10 comentários
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 18847, 'email': 'lucasmota@opovo.com.br', 'nome': 'Lucas Mota'}
Lucas Mota lucasmota@opovo.com.br
Compartilhar

Atualizada às 12h30min

O juiz José Arnaldo dos Santos Soares, da comarca de Jijoca de Jericoacoara, revogou a prisão temporária da farmacêutica Mirian França, 31, suspeita de matar a italiana Gaia Molinari, no dia 25 de dezembro. A decisão ocorreu na manhã desta terça-feira, 13. Ela saiu da prisão no fim da manhã desta terça-feira.

O magistrado decidiu pela revogação da prisão após analisar informações enviadas pela Polícia Civil. De acordo com a decisão, a farmacêutica não poderá se ausentar do Ceará pelo prazo de 30 dias.

Ao analisar o caso, o juiz alegou que que as contradições apresentadas em depoimento não seriam suficientes para a prisão. Além disso, apontou inexistência de razões fundamentadas que comprovem autoria ou participação da farmacêutica no crime. O magistrado levou em consideração que a carioca possui profissão definida, endereço fixo e não tem antecendentes criminais.

"Vejo que a prisão da requerente exauriu sua finalidade, não se mostrando mais imprescindível às investigações, sobretudo porque é possível a aplicação de outra medida cautelar menos gravosa, mas que atingirá a mesma finalidade, em atenção ao princípio da proporcionalidade”, disse José Arnaldo.

Na última quinta-feira, 8, o juiz solicitou os documentos sobre a prisão da carioca para embasar sua decisão. A expectativa era que a decisão saísse na segunda-feira, 12, quando o prazo de 48h, estipulado pelo magistrado, para a Polícia Civil enviar as informações terminava.

De acordo com a Defensoria Pública, responsável pela defesa de Mirian, o órgão está esperando ser comunicação oficialmente sobre a decisão da Justiça. Em parecer, o Ministério Público se manifestou favorável ao pedido de revogação da prisão.

Prisão de Mirian França
A farmacêutica está presa há 14 dias. Mirian foi levada à Delegacia de Capturas e Polinter (Decap) no último dia 29 de dezembro. A prisão da carioca foi efetuada após contradições em seu depoimento.

Após o corpo de Gaia ser localizado, Mirian França foi encontrada pela Polícia na praia de Canoa Quebrada, no Litoral Leste, para onde viajou após prestar o depoimento do dia 26. Ela foi levada novamente até Jericoacoara, onde teve a versão contestada por outras testemunhas.

A prisão da farmacêutica Mirian França mobilizou mais de 6 mil pessoas pedindo a sua liberdade no Facebook. Movimentos sociais de defesa da mulher e do negro também têm realizado ações em prol da carioca. O grupo se reuniu com o delegado geral da Polícia Civil, Andrade Junior, para discutir a autuação da suspeita de matar Gaia Molinari.

Suspeita de participação no assassinato, Mirian França é carioca e não possui antecedentes criminais. Doutoranda da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Instituto de Microbiologia, possui graduação em Farmácia e mestrado no curso de Ciências, também pela UFRJ.
 

Compartilhar

Veja também

espaço do leitor
Lucélia Jeronimo 19/01/2015 14:41
Temos jogadores de futebol (Edmundo) e Cantores (Renner), comprovadamente assassinos que gozam do direito de liberdade, s/ nunca terem conhecido a prisão e ninguém contesta, agora uma suspeita, até que se prove a culpa, incomoda ao ser liberada. Estranho!
girlane nobre 14/01/2015 00:05
Com tudo isso, só que perdeu foi esta moça, que um belo dia teve a vontade de passear neste país e nesta terra sem lei. Onde prevalece a impunidade.
Maia 13/01/2015 22:24
Ou seja, o Defensor Público tinha razão ao afirmar que não haviam motivos para manter a carioca presa! Que sigam as investigações e apurem quem é culpado, mas vamos acabar com a idéia de "prende primeiro, e prova depois"! Parabéns à Defensoria Pública por mais uma atuação exemplar!
Victro Gaspari 13/01/2015 16:21
puro vitimismo, sinceramente. além de atrapalhar o trabalho da justiça propondo privilégios negros, temos uma EUROPÉIA que foi morta e ninguém se importa. isso é brasil, onde só o fato de ser negro, mulher ou trans, lhe garantem privilégios para agir de acordo com a natureza da raça ou degeneração.
nina 13/01/2015 16:00
Jorge Roriz, e precisaria???? brancos já são privilegiados, imagine a mesma situação com uma moça que você descreveu.É exatamente por isso que foi necessária a intervenção de movimentos negros.
Ver mais comentários
10
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

O POVO Online

Participe desta conversa com @opovoonline

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Fortaleza

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Fortaleza

Powered by Feedburner/Google

Mais comentadas

anterior

próxima