tempo indeterminado 24/08/2015 - 16h37

Empregados da Mercedes do ABC Paulista entram em greve

A decisão foi tomada em assembleia, no início da manhã desta segunda, depois que alguns empregados receberam telegramas comunicando que estavam dispensados
divulgação
Segundo a montadora, as vendas de caminhões caíram quase à metade no acumulado do ano
Compartilhar

Os metalúrgicos da fábrica da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, na região do ABC Paulista, iniciaram greve por tempo indeterminado em protesto contra demissões. A decisão foi tomada em assembleia, no início da manhã desta segunda-feira, 24, depois que alguns empregados receberam telegramas comunicando que estavam dispensados.

Na semana passada, fracassou uma tentativa de acordo em torno do Programa de Proteção ao Emprego, que prevê redução de salários com redução da jornada de trabalho. Os trabalhadores resolveram aderir ao programa, mas a situação atingiu um impasse.

A empresa alegou que a alternativa não seria suficiente para contornar os problemas de ociosidade que levaram a um excedente de 2 mil trabalhadores, em função do desaquecimento do mercado interno.


Segundo a montadora, as vendas de caminhões caíram quase à metade no acumulado do ano, em 45%, e a de ônibus em torno de 30% em relação a igual período do ano passado. Além disso, alega que “não existe nenhuma previsão de recuperação no próximo ano”.

A Mercedes explicou que até o momento tem procurado assumir os custos com o pessoal excedente, exemplificando que por mais de um ano e meio recorreu ao sistema lay-off. Por esse sistema, o empregado fica afastado recebendo os salários, que são pagos meio a meio pela empresa e o governo, federal com os repasses do Fundo de Amparo ao Trabalhador.

No entanto, para continuar a manter a estabilidade no emprego, a montadora propôs a reposição parcial da inflação no próximo ano, entre outras medidas. A proposta foi  rejeitada pela categoria. A empresa anunciou que vai efetuar cortes de mão de obra a partir do dia 1º de setembro.

O secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sérgio Nobre, disse que a paralisação “será um processo forte de luta e mobilização, até que a empresa revogue a decisão e todos os companheiros voltem a trabalhar”, conforme nota divulgada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo.

>> Leia mais sobre carros e motos.

Agência Brasil
 

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google