US$ 150 milhões 08/05/2015 - 14h39

Defesa da Jeep considera "grosseiramente excessivo" valor de indenização por morte de criança

A família processou a montadora norte-americana, após uma colisão traseira em 2012, que levou à morte de um menino de 4 anos, dentro de um Grand Cherokee
reprodução
O júri determinou que a culpa de morte foi 99% da fabricante e de apenas 1% do motorista que provocou o acidente
Compartilhar

Advogados da Fiat Chrysler (FCA), que engloba a Jeep, entraram com um recurso nesta quinta-feira, 7, após ser condenada a indenizar uma família em US$ 150 milhões (cerca de R$ 456 milhões) nos Estados Unidos, conforme divulgou a agência Associated Press (AP).

A família processou a montadora norte-americana, após uma colisão traseira em 2012, que levou à morte do menino Remington Walden, de 4 anos, dentro de um Grand Cherokee, modelo 1999. O choque causou uma ruptura no tanque de plástico - com pouca estrutura de proteção - e o veículo pegou fogo.

O júri determinou que a culpa de morte foi 99% da fabricante e de apenas 1% do motorista que provocou o acidente. Por fim, a sentença estabeleceu que a Jeep deveria pagar US$ 120 milhões pela vida do menino, e mais US$ 30 milhões pelo sofrimento causado à ele.

O júri determinou que a culpa de morte foi 99% da fabricante e de apenas 1% do motorista que provocou o acidente | Foto: reprodução
Além disso, a Justiça considera uma falha da montadora não ter incluído o Grand Cherokee 1999 num recall que convocou 1,56 milhões de unidades por causa do problema em 2013.

Defesa

Os advogados da FCA, por sua vez, pretendem abrandar a decisão, pois afirmam que o valor da indenização neste caso é "grosseiramente excessivo" e que o júri, composto quase que totalmente por mulheres, foi motivado por compaixão e predisposição a condenar a empresa.
 
"A indenização por sofrimento e dor de US$ 30 milhões é irracional, já que os requerentes admitem que foi no máximo 1 minuto de sofrimento", diz a petição.

A montadora ainda afirma que os modelos da Jeep não ofereciam maiores riscos do que qualquer outro SUV na época e que o maior valor pago por uma indenização do tipo foi de US$ 7 milhões para uma pessoa que permaneceu hospitalizada por meses.

O júri determinou que a culpa de morte foi 99% da fabricante e de apenas 1% do motorista que provocou o acidente | Foto: divulgação
 

>> Leia mais sobre carros e motos.

 

Redação O POVO Online

Compartilhar
espaço do leitor
jose neto 08/05/2015 19:21
Se fosse por aqui, nosso Judiciário condenaria a um pagamento mísero.
1
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google