REVISÃO 08/04/2015 - 14h10

Indústria automobilística revê projeções e prevê queda de 10% na produção

O presidente da Anfavea, Luiz Moan, revelou, no entanto, que foi mantida a projeção de crescimento de 1,1% nas exportações, mas sem perder de vista as chances de retomar o mercado interno
divulgação
O setor também alterou a expectativa de estabilidade nas vendas ao mercado interno
Compartilhar

O desaquecimento da economia levou as montadoras instaladas no Brasil a traçar um novo cenário de atividades no setor para 2015, revertendo a projeção que tinham, no começo deste ano, de alta de 4,1% na produção de veículos, para queda de 10% e um total de 2,83 milhões de unidades.

O setor também alterou a expectativa de estabilidade nas vendas ao mercado interno, prevendo que os licenciamentos deverão cair 13,2%, o equivalente ao escoamento de 3,03 milhões de unidades. Nesse volume estão incluídos os automóveis, veículos comerciais leves, caminhões e ônibus. Na comercialização de máquinas e equipamentos agrícolas e rodoviários, a indústria automobilística acena com retração de 19,4% no mercado interno.

As projeções revisadas foram anunciadas na última terça-feira, 7, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O presidente da entidade, Luiz Moan, revelou, no entanto, que foi mantida a projeção de crescimento de 1,1% nas exportações, mas sem perder de vista as chances de retomar o mercado interno.

Ele observou que alguns acordos com parceiros comerciais como a Argentina, por exemplo, ainda estão em andamento e, além disso, a indústria está tendo maior cautela em relação à oscilação do dólar. “Vamos esperar um foco para ver o caminho do dólar. Ele está [com] melhor [cotação], mas há um sentimento em torno do efeito quanto à volatilidade [da moeda].”

Moan acredita que, no próximo trimestre, as empresas terão resultados melhores em relação ao primeiro. Ele lembrou que o recuo de 13,2% nos licenciamentos previstos para este ano, será menor do que o registrado no primeiro trimestre (-17%).

Para ele, mais do que uma crise econômica, o que afeta o setor é a crise de confiança. Por isso, defende a aprovação das medidas do ajuste fiscal como forma de resgatar a percepção mais otimista do mercado com maior confiança tanto dos investidores quanto dos consumidores. O nível de emprego, na opinião do executivo, não é empecilho para resgatar as vendas.

Quanto à manutenção dos postos nas montadoras, ele afirmou que o emprego é um grande desafio atualmente, embora o empregado do setor seja fruto de um investimento muito alto, em treinamento e qualificação. "E as empresas fazem o máximo para a manutenção do nível do emprego.”

Os dados da Anfavea indicam que a base de empregados no setor caiu 9,4% de janeiro a março deste ano, em comparação a igual período do ano passado, somando 140.851 trabalhadores.

>> Leia mais sobre carros e motos.

Agência Brasil

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Facebook

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google