governo 18/07/2014 - 10h59

Novas parcerias entre Brasil e China aumentam exportações

Compartilhar

As reuniões entre Brasil e China, nessa quinta-feira (17), finalizaram 32 acordos entre os países, dentre eles, importantes parcerias comerciais.

O Brasil tem na China seu principal parceiro desde 2009, com um volume de negócios que chegou a quase US$ 90 bilhões em 2013. Este valor deve crescer ainda mais com o levantamento do embargo e disposição de compra de carne bovina pela China.

Sobre a exportação de carne, o diretor de Assuntos Corporativos da Brasil Foods, Marcos Jansk, destacou a complementariedade que existe entre os dois países e o potencial de aumento nas exportações para o parceiro comercial.

“Quase metade do que se vende para a China é agronegócio, mas eu diria que quase 80% é soja, e nós temos a chance agora de adicionar mais valor aos nossos produtos através de proteínas animais, de carnes. Então, ao invés de a gente estar exportando US$ 500 por tonelada, nós podemos chegar a 2, 3, 4, até US$ 5 mil por tonelada, a partir da exportação da proteína. (…) Da mesma forma que a China hoje vai fazer novos investimentos na logística brasileira, nós também achamos que existe uma perspectiva muito grande nas proteínas, não só para eles estarem aqui conosco, mas para nós estarmos lá com eles, chegando ao consumidor através de novos canais e através de marcas fortes brasileiras”, avaliou o diretor.

Durante a reunião, a presidenta Dilma destacou a necessidade de diversificar e agregar valor às exportações e investimentos brasileiros relacionados à China. Ela citou como exemplo importante a venda de 60 aeronaves da Embraer. Frederico Fleury Curado, presidente da fabricante de aviões, falou sobre os contratos assinados durante a cerimônia.

“Nós assinamos hoje dois contratos: um de 40 aeronaves, com uma empresa que já é cliente nossa, chamada Tianjin Airlines; e outro de 20 aeronaves com uma empresa que na verdade é uma empresa de leasing, que é do maior banco chinês, que é atualmente o maior banco do mundo, que chama-se ICBC. (…) É muito importante que na pauta bilateral Brasil-China nós tenhamos agora também que além das commodities, além de minérios, além de soja e produtos agrícolas, o Brasil também possa exportar para a China produtos com alto valor agregado. Então eu acho que é uma contribuição grande para o País na qualidade da balança comercial”, declarou.

Portal Brasil

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Economia

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google