Banco 16/07/2014 - 08h29

Banco de Desenvolvimento terá sede em Xangai

Apesar do Brasil não sediar a instituição no primeiro mandato, acordo é apontado como uma conquista histórica da VI Cúpula dos Brics em Fortaleza
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 18942, 'email': 'flavia@opovo.com.br', 'nome': 'Fl\xe1via Oliveira'}
Flávia Oliveira flavia@opovo.com.br
Compartilhar

 

As expectativas para que o Brasil assumisse a presidência do Banco de Desenvolvimento do Brics foram frustradas pela indicação da Índia para o cargo. Com mandatos de cinco anos, a direção será rotativa entre os demais países membros.


O Brasil ocupará o posto na sequência e será sucedido por Rússia, África do Sul e China. A sede da instituição, prevista para entrar em operação apenas em 2016, será em Xangai, na China. Nesta primeira gestão, a África do Sul foi escolhida para abrigar o escritório regional, enquanto o Brasil fica com a presidência do conselho de diretores.


Como anunciado anteriormente, o capital inicial autorizado do banco será de US$ 100 bilhões e o capital subscrito (assumido por cada país que integra o grupo) será de US$ 50 bilhões.


“Os Brics vivem momento especial devido ao fortalecimento de duas iniciativas que estão sendo debatidas durante este encontro em Fortaleza: a primeira é a criação do Novo Banco de Desenvolvimento, instituição voltada ao financiamento de projetos de infraestrutura. A segunda é uma linha de contingenciamento de reservas, um seguro dos Brics contra a instabilidade do mercado financeiro internacional”, destacou a presidente Dilma Rousseff.


Questionada sobre o fato da presidência do banco não ter ficado com o Brasil, Dilma foi enfática: “Como foi a Índia quem propôs o banco, é justo que a presidência fique com ela”, afirmou. Ainda de acordo com a presidente, Xangai foi escolhida para ser a sede em virtude de ser o centro financeiro da China, o 2ª PIB do planeta e maior economia do Brics.


Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a diferença ente o banco do Brics e outras instituições internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial é que o poder será dividido de forma igual entre os membros do grupo.


“A presidência não tem a menor importância, e sim, o controle acionário, que é dividido por igual entre os cinco países”, retrucou. Diante do questionamento do risco de a China se tornar hegemônica na instituição, Mantega apontou que todos os países vão apresentar um capital idêntico e destacou o fato do banco ser uma alternativa aos bancos de financiamento já existentes.


“Hoje há escassez de crédito. O banco não vai competir com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mas é claro que a presença de mais um banco vai forçar a competitividade, o que pode se refletir nas taxas de juros, por exemplo”, explica.


Para o diretor-executivo do FMI pelo Brasil e mais dez nações, Paulo Nogueira Júnior, o fato dos países terem chegado a um entendimento já é motivo de comemoração. “Não é de maneira alguma uma notícia negativa. Eles conseguiram aqui no Brasil alcançar as duas metas, que foi a criação do banco e do acordo de contingente de reservas. Não é pouca coisa ter esses contratos assinados”, aponta o economista.


TRABALHO PESADO


Bastidores do Brics


1) Segundo os organizadores do encontro, a maior parte das credenciais para os profissionais de imprensa foram distribuídas para chineses. 2) Gaby Amarantos com Zelia Duncan, Luiza Possi e Elba Ramalho, antes do show. Outros artistas representavam as cinco regiões.

 

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Economia

  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google