10/08/2016 - 09h40

China revisa para baixo parcela de empréstimos inadimplentes em bancos do país

notícia 0 comentários

O regulador bancário da China revisou para baixo a porcentagem de empréstimos inadimplentes dos bancos do país no segundo trimestre, na comparação com dados preliminares divulgados no mês passado. Em seu site, a Comissão Regulatória Bancária da China informou que os empréstimos inadimplentes representavam 1,75% do total de crédito em circulação emitido pelos bancos comerciais até o fim de junho, patamar igual ao do primeiro trimestre. Em seu relatório preliminar, a comissão havia apontado 1,81% de empréstimos inadimplentes no total do período.

No fim do segundo trimestre, os empréstimos inadimplentes nos bancos comerciais da China totalizavam 1,44 trilhão de yuans (US$ 216,6 bilhões) no fim do segundo trimestre, em alta ante os 1,39 trilhão de yuans do primeiro trimestre. Os empréstimos com menção especial, que os bancos julgam atrasados, mas não considerados irrecuperáveis, ficaram em 3,3 trilhões de yuans no segundo trimestre, em alta ante os 3,2 trilhões de yuans no primeiro trimestre, segundo os dados oficiais.

A desaceleração na economia chinesa afeta o sistema bancário do país nos últimos anos, com o aumento nos empréstimos inadimplentes e uma desaceleração do crescimento de seus lucros.

No primeiro semestre, os bancos comerciais chineses registraram 899,1 bilhões de yuans de lucro líquido, alta de 3,17% na comparação com igual período do ano passado. O crescimento do lucro desacelerou significativamente na comparação com os avanços de dois dígitos registrados há poucos anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

ESTADÃO conteúdo

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google