09/08/2016 - 19h30

São Martinho: volta do PIS/Cofins sobre etanol elevará preços e reduzirá consumo

notícia 0 comentários

O diretor financeiro e de relações com investidores do Grupo São Martinho, Felipe Vicchiato, avaliou nesta terça-feira, 9, que o retorno da cobrança de PIS/Cofins, de R$ 0,12 por litro do etanol hidratado, a partir de 1º de janeiro de 2017, deve gerar aumento de preços ao consumidor e, consequentemente, reduzir a demanda pelo combustível às companhias.

Em abril de 2013, a presidente Dilma Rousseff suspendeu o tributo cobrado ao produtor sobre o etanol como parte de um pacote de bondades ao setor, que incluiu o aumento da mistura do etanol anidro à gasolina de 20% para 25% à época. Hoje a mistura está em até 27%.

"A volta da cobrança ao produtor significa perda de produtividade na cadeia, porque aumentará o etanol na bomba e reduzirá o consumo, trazendo um ajuste da demanda à oferta", disse Vicchiato. Com isso, segundo ele, o Grupo São Martinho não deverá importar etanol até o final desta safra, como fez no último trimestre da passada, entre janeiro e março desde ano.

No período, a companhia comprou 15 milhões de litros de etanol para suprir uma eventual falta do produto na entressafra, o que não ocorreu. Segundo o diretor, a operação foi feita também por outras grandes empresas do setor.

Com o retorno do PIS/Cofins, o Grupo São Martinho não considera "por hora", segundo Vicchiato, que o governo aumentará a cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), hoje em R$ 0,10 sobre a gasolina, o que seria uma alternativa de aumentar a receita para minimizar o rombo das contas públicas. "O que a gente sabe é que, olhando do ponto de vista de inflação, a Cide impacta no curto prazo e é mais carga tributária", disse.

Vicchiato relatou ainda, em teleconferência com analistas, o sucesso na captação recente de R$ 300 milhões com Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), já que a demanda foi o dobro pelos papéis, mas admitiu que o crédito para companhias brasileiras ficou mais caro por conta da série recente de downgrades do País.

"Nós nunca tivemos problemas de acesso ao crédito, mas para o setor, de um modo geral, a percepção é de que os bancos não estão muito animados para aumentar valor e muito menos estender prazo", concluiu.

ESTADÃO conteúdo

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google