Conheças nossos combos e pacotes promocionais!

CLIQUE E CONFIRA
Segundo Dieese 06/07/2016 - 12h18

Feijão quase dobrou de preço em seis meses em Fortaleza

Compartilhar

O feijão foi o item da Cesta Básica com maior variação registrada no intervalo dos últimos seis meses, de acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira, 6, pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O aumento foi de 97,05%, ou seja, quase dobrando de preço.

Segundo o estudo, o custo da alimentação básica na cidade de Fortaleza acumula aumento de 12,86% na variação semestral. Na variação anual, esse número foi de 18,86%.

Também se destacam, na variação considerada nos últimos seis meses, a manteiga (44,31%), a farinha (30,25%) e a banana (26,81%). Só dois itens tiveram redução nos preços: o tomate (4,65%) e a carne (4,47%).

Na variação anual, todos os 12 itens que compõem a cesta básica com exceção do tomate tiveram aumento nos preços. O feijão novamente se destaca, com elevação de 117,21%, seguido pelo açúcar (57,14%) e a manteiga (54,85%).

Na comparação entre junho e maio, os alimentos que registraram as altas mais expressivas na cidade foram o feijão (46,86%), o leite (6,35%) e o arroz (5,43%). Quatro produtos tiveram deflação, sendo eles a carne (5,25%), o óleo (3,27%), o tomate (2,74%) e a farinha (2,15%).

Redação O POVO Online

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

O POVO Online

Participe desta conversa com @opovoonline

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Economia

Erro ao renderizar o portlet: Caixa Instagram (API-USER)

Erro: 'data'
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google

O POVO Economia