Conheças nossos combos e pacotes promocionais!

CLIQUE E CONFIRA
IPC-C1 05/05/2016 - 08h53

Inflação para famílias com renda mais baixa é de 9,94% no acumulado em 12 meses

O percentual está acima do registrado pelo Índice de Preços ao Consumidor %u2013 Brasil (IPC-BR), que mede a inflação para todas as faixas de renda e que ficou em 0,49% em abril
Compartilhar

O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos, chegou a 0,69% em abril, taxa acima da registrada em março (0,44%). O percentual está acima do registrado pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que mede a inflação para todas as faixas de renda e que ficou em 0,49% em abril. Os números foram divulgados hoje, 5, pela Fundação Getulio Vargas.

O IPC-C1 acumula 3,82% este ano e 9,94% em 12 meses. A taxa acumulada em 12 meses pelo IPC-C1 também é superior ao total acumulado no mesmo período pelo IPC-BR (9,24%).

Causas

A alta da taxa do IPC-C1 entre março e abril foi provocada por avanços em quatro das oito classes de despesa: item saúde e cuidados pessoais (passou de 0,36% em março para 3,49% em abril), transportes (de 0,19% para 1,12%), vestuário (de 0,37% para 0,82%) e educação, leitura e recreação (de 0,42% para 0,52%).

Quatro grupos de despesa tiveram recuo na taxa de inflação: alimentação (caiu de 1,21% para 0,62%), despesas diversas (de 0,97% para 0,29%), comunicação (de 0,69% para 0,04%) e habitação (de -0,43% para -0,46%).

 

Agência Brasil

> TAGS: ipc-c1
Compartilhar

O POVO Online

Participe desta conversa com @opovoonline

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Economia

Erro ao renderizar o portlet: Caixa Instagram (API-USER)

Erro: 'data'
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

São utilidades para enriquecer seu site ou blog por meio de códigos (Tags ou Scripts) que ajudam sua página a ser ainda mais informativa

Escolha o Widget do seu interesse

Newsletter

Receba as notícias do Canal Economia

Powered by Feedburner/Google

O POVO Economia