Mobile RSS

rss
Assine Já
Pedro Salgueiro 27/06/2012

O prisioneiro no espelho

Escolheu uma profissão terrível, só tédio e monotonia
Compartilhar

 

O pobre do cronista, acuado pela falta de assunto, vive à procura de um personagem na multidão de anônimos que pululam pelas ruas de nossa escrotinha loura desmazelada pelo sol. Um perneta ali, um careca acolá, bem adiante um velhote de pente no bolso e brilhantina no cabelo ralinho (cuidado há de ter o infeliz do escrevinhador desocupado, pois, como assegura nosso cronista maior Airton Monte, negro não é mais negro, gordo não é mais gordo, pobre não é mais pobre, nem puta é mais puta, então se procura logo, para não criar problemas com ninguém, um danado de um eufemismozinho de meia-tigela).


Dia desses encontrei um personagem que não tinha lá muitos predicados físicos que o destacasse da maioria ignara: altura normal, magreza sem graça, uma feiúra quase suportável. Tirante a canela finíssima e uns olhos esbugalhados, passaria despercebido em qualquer fila de banco.


Mas o que o distinguia dos outros e o colocava na fila dos personagens que poderiam ser utilizados pelo cronista sem assunto era uma característica psicológica notada por todos: o ressentimento. Olhando de perto não se acreditava — como era ressentido o nosso futuro personagem! Conversando meia hora com ele já teríamos uma coleção valiosa de pérolas do ressentimento.


Primeiro, ressentia-se de uma infância sem novidades: não jogou bila, bola ou bilhar com os companheirinhos. Não tomou banho de açude ou rio, nunca de chuva, apenas de bica. Na adolescência era sempre deixado de lado pelas meninas mais bonitinhas, nem paquerar conseguia. Por conta disso casou-se com a primeira namorada, quase sem conhecer ainda as muitas nuanças do amor, suas veredas e atalhos: tornou-se, portanto, um ressentido do amor. Ver os colegas bem casados para ele era um tormento, então não se cansava de tentar separá-los: paquerava com uma, mandava bilhetes para outras, piscava o olhão para a incauta da mesa à frente.


Escolheu uma profissão terrível, só tédio e monotonia. Mas para fugir dos percalços de sua vida tristonha resolveu se dedicar às artes, pois tinha uma ponta de sensibilidade em meio ao profundo poço (cheio de esterco) de sua alma. Incansavelmente publicou, com o próprio dinheiro, um livro atrás dos outros por anos e anos. Tantos que até ele mesmo tinha dificuldades em contá-los, nomeá-los, classificá-los...


Se sua poesia não agradasse aos outros, coitados dos outros. Se sua prosa mais que comum não satisfizesse os críticos, coitados dos críticos. Se as editoras nem bola dessem aos seus insistentes envios de originais, infelizes das editoras. Se um colega escritor fosse agraciado com um prêmio, estudado no vestibular, convidado a escrever num jornal ou revista; e se fosse, então, solidamente casado, jovem e bem apessoado, que Deus o protegesse. Enfim, coitados de todos os colegas.


O homem era um poço de ressentimentos: transbordava aos borbotões por todos seus poros a ira da inveja, o asco da maledicência. Ruminava diuturnamente suas próprias fezes e extraía do seu hálito fétido o mais puro e maléfico veneno, que (depois de bem estilado) ele ia, pouco a pouco, injetando nas veias dos que estivessem na sua mira.


E como era de se esperar, o ressentido acabou sozinho: os filhos bem distantes, a ex-mulher só lembrava-se dele na hora de receber a pensão, os amigos foram saindo de fininho, os vizinhos foram aumentando os muros. Quando nem bem esperava (ou será que esperava e, num teatro de puro masoquismo, se regojizava com tudo isso?) ele acabou sozinho em sua grande casa, cercado de livros, os muros ao redor altíssimos mal o deixavam ver uma frestinha de luz do sol. Então, já não podendo mais exercer seu triste ofício do ressentimento, postou-se na frente do espelho e sobre ele jogou todo o seu ódio guardado desde a mais remota infância.


P.S.: Um amigo maldoso (mas bem inteligente e afeito a generalizações) afirma que, na verdade, não se trata de um indivíduo, mas de uma geração inteira de ressentidos; e ainda tenta teorizar sobre a tal geração (que ele intitula “degeneração”): “Era uma turma da qual muito se esperava e bromaram todos. Que, também, esperava muito de si. Cada um surgiu com um rei na barriga, atirando pedras em quem estivesse no caminho: e hoje (que quase todos os reis foram destronados, só lhes restaram as barrigas), tantos anos depois, só lhes sobrou a empáfia, o fracasso, o melindre. E o ressentimento!”. Depois, dando uma gaitadinha cínica, ainda arremata (feito um vampiro com sua faca de prata): “Esta, sim, é a verdadeira Geração Perdida, não escapou um!”.

 

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:

Pedro salgueiro

RSS

Pedro salgueiro

Pedro salgueiro

Escreva para o colunista

Atualização: Sábado

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Divirta-se

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Pedro Salgueiro

Powered by Feedburner/Google

Mais comentadas

anterior

próxima

Mobile RSS

rss Assine Já