Mobile RSS

rss
Assine Já
Pedro Salgueiro 30/05/2012

Bem antes

Fingia não notar que ela escondia na sala sua melhor roupa, disfarçava no vestido a colônia de alfazema
notícia 0 comentários
Compartilhar


Ele nunca fora caseiro; antes passava em casa apenas para trocar de roupa — resmungava um desaforo à esposa enquanto se encharcava de perfume. Os antigos olhos tristes, distantes na direção da porta que ele logo atravessaria para voltar apenas na manhã seguinte. Agora fingia não notar que ela escondia na sala sua melhor roupa, disfarçava no vestido a colônia de alfazema; cuidando resignadamente dos mínimos detalhes: — querido, se precisar do penico me chame. E ela de sono tão profundo bem no quarto ali de lado: — se eu não escutar, Lucinha acode, que ela tem o sono mais leve. Na manhã seguinte também fingia não perceber seus olhos inchados, o nervosismo das mãos, a solicitude gratuita, o amor eterno...


— Querido, dormiu bem!? — E afirmava ele com a cabeça, o olhar distante; o lençol escondendo a mancha de urina.


Ultimamente nem a filha mais acordava, com o mesmo sono pesado da mãe — na hora do almoço vislumbrava seus belos olhinhos vermelhos, que não mais o miravam de frente, mas sempre procurando algo para fazer.


Também fingia não notar o jeito cúmplice das duas; no passado: tão distantes — agora altivos, mais de irmãs. Não ligava para o estacionar dos carros na frente da casa, antes bem calma — pois sabia que inevitavelmente elas já estavam dormindo no quarto ao lado: e quão inútil seria chamá-las.

 

Compartilhar
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.

Pedro salgueiro

RSS

Pedro salgueiro

Pedro salgueiro

Escreva para o colunista

Atualização: Sábado

TV O POVO

Confira a programação play

anterior

próxima

Divirta-se

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Pedro Salgueiro

Powered by Feedburner/Google

Mais comentadas

anterior

próxima

Mobile RSS

rss Assine Já