Mobile RSS

rss
Assine Já
Ombudsman 01/07/2012

Frustração do leitor

Compartilhar

 

“Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro”

Mário Quintana, poeta e jornalista

 

Cursos gratuitos de línguas. A manchete de Brasil da edição de segunda-feira, 25, não poderia ser mais atrativa. O primeiro pensamento é automático: onde é? Como devo fazer? Quem procuro? Uma resposta que O POVO facilmente poderia ter fornecido ao seu leitor através de um “Serviço”, a ferramenta ideal para matérias deste tipo. Porém, nada disso foi colocado no texto, o que provocou frustração dos leitores ávidos por uma informação de quais cursos seriam realizados no Ceará.


A leitora Maria de Fátima reclamou que nem sabia como se matricular. “Acabei apelando para o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), que estava relatada no texto e ninguém informou nada”. O protesto continuou com Cristina Barreto que lamentou as incoerências no texto e cobrou a publicação de uma nota de correção. Dezessete comentários criticando a matéria foram registrados no O POVO On line. A matéria informava ainda que as inscrições podiam ser feitas pela Internet. Tudo errado.


VERIFICAÇÃO BÁSICA

Antes de prosseguir é importante explicar aos leitores que grande parte das notícias nacionais e internacionais chega aos jornais através de agências de notícias. São empresas que contratam vários jornalistas em estados diferentes, centralizam a informação e abastecem as redações com fotos e textos. O POVO tem contrato com as conhecidas agências Estado, Folha e France Press, entre outras.

 

No caso da matéria utilizada em Brasil, a origem é a Agência Brasil, do Governo Federal. Pois bem. Cabe a quem seleciona o material acrescentar, cortar, mudar o enfoque, enfim, editar. Foi o que faltou nesse caso. Os leitores têm razão na bronca. O jornal simplesmente reproduziu o texto da agência, sem qualquer tentativa de maior apuração.


SEM DETALHES

Uma leitora fez aquilo que o jornal deveria ter feito antes de publicar a matéria: conferir no site das entidades citadas a veracidade das informações. Uma atitude que poderia ter feito o jornal dar a informação correta: naquele momento as matrículas estavam suspensas. A observação foi feita no comentário interno solicitando a publicação de mais detalhes.

 

Inclusive da informação faltante de que o os cursos de línguas oferecidos pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) - exatamente os destacados na manchete - são destinados apenas para quem já atua no turismo. Houve a promessa de estudo de nova matéria, mas não houve tempo. Na sexta-feira, o Pronatec abriu as pré-matrículas dos cursos gratuitos para novas turmas. Indagada, a editoria não quis se manifestar.


DE QUEM É A CULPA?

O jornal continua cometendo erros graves na grafia de palavras. Há duas semanas citei falhas que não tinham como explicar aos leitores como o uso de intensão no lugar de intenção e sessão eleitoral no de seção. Essa semana outros dois erros fizeram corar o ombudsman. Um na editoria Radar, terça-feira, onde foi escrito “assessórios” - assim mesmo, com dois esses - em matéria que falava do roubo de acessórios de informática.

 

O outro, domingo, 24, em Política, ao reproduzir declaração de deputado que teria afirmado seu partido estar “cônsul das responsabilidades”. O correto é cônscio. “O que está acontecendo com os profissionais do O POVO?” indagou a leitora Maria Irismar de Paula. “É preciso que volte a figura do revisor” sugeriu outro leitor.


Apontar um culpado seria missão ingrata. Constantemente os profissionais da Redação passam por cursos de Português. O retorno da figura do revisor é descartado. Creio que a falha tem origem ainda nos primeiros anos de escola dos profissionais: a falta de leitura. Cabe a cada um procurar atualização diária.


Esquecido pela mídia: Implantação do ponto eletrônico

 

FOMOS BEM


LONDRES 2012

Lançamento de guia da competição, a 30 dias dos Jogos Olímpicos, marcou entrada do jornal na cobertura

 

FOMOS MAL


SEGURANÇA

Depois de tanta cobrança, aprovação do Estatuto de Segurança Bancária passou sem maior análise

 

Paulo Rogério
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:

Ombudsman Atual

Daniela Nogueira trabalha há oito anos no O POVO. É graduada em Comunicação Social/Jornalismo, pela Universidade Federal do Ceará (UFC), e em Letras (Português/Inglês), pela Universidade Estadual do Ceará (Uece). Foi editora de Opinião do jornal e editora do suplemento "The New York Times/O POVO".

Daniela Nogueira
Ombudsman do jornal O POVO

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Ombudsman

Powered by Feedburner/Google

Mobile RSS

rss
Assine Já