Mobile RSS

rss
Assine Já
Professor Pasquale 09/01/2012 - 01h30

"Corretora intermedeia operações..."

Alguns verbos terminados em "-iar" não seguem a conjugação regular. Entre eles, "mediar", "ansiar" e "remediar"

 

Na última coluna, falamos dos verbos terminados em “-ear”. Vimos que, nos dois presentes (indicativo e subjuntivo), esses verbos ganham um “i” depois do radical em quatro flexões (eu, tu, ele, eles). Para relembrar, veja a conjugação de “cabecear”: “eu cabeceio, tu cabeceias, ele cabeceia, nós cabeceamos, vós cabeceais, eles cabeceiam”; “que eu cabeceie, que tu cabeceies, que ele cabeceie, que nós cabeceemos, que vós cabeceeis, que eles cabeceiem”.


Na primeira e na segunda pessoa do plural (“nós” e “vós”) dos tempos que acabamos de ver e em todas as flexões dos demais tempos, os verbos terminados em “-ear” não apresentam a letra “i” depois do radical: “eu cabeceava”, “nós cabeceávamos”, “eles cabeceavam”, “eu cabeceei”, “ele cabeceou”, “eles cabecearam”, “eu cabecearei”, “eles cabecearão”, “se eu cabeceasse”, “se nós cabeceássemos”, “se eles cabeceassem” etc.


Agora vamos ver outra turma, a dos verbos terminados em “-iar”. 99,99% deles são regulares, mas... O “mas” fica para daqui a pouco. Tomemos o verbo “pronunciar” como exemplo de conjugação regular: “eu pronuncio”, “ele pronuncia”, “eles pronunciam”, “eu pronunciava”, “nós pronunciávamos”, “eles pronunciavam”, “que eu pronuncie”, “que eles pronunciem”, “se eu pronunciasse” etc.


Agora vamos passar às exceções. Há alguns verbos terminados em “-iar” que não seguem a conjugação regular. Cinco deles (“mediar”, “ansiar”, “remediar”, “incendiar”, “odiar”) permitem que se forme o anagrama “MARIO”. Nas variedades formais da língua, esses verbos não apresentam flexões como as de “pronunciar” ou as de qualquer verbo regular terminado em “-iar”, fato confirmado pelos registros das gramáticas e dos dicionários brasileiros, que geralmente dão esses cinco verbos como irregulares.


Vamos direto ao ponto: no presente do indicativo e no do subjuntivo, esses verbos apresentam quatro formas (eu, tu, ele, eles) com o grupo “ei”. Vamos tomar como referência o verbo “odiar”: “eu odeio, tu odeias, ele odeia, nós odiamos, vós odiais, eles odeiam”; “que eu odeie, que tu odeies, que ele odeie, que nós odiemos, que vós odieis, que eles odeiem”.


O que ocorre com “odiar” ocorre também com os outros verbos que compõem o “MARIO”. Vejamos as flexões de “mediar”: “eu medeio, tu medeias, ele medeia, nós mediamos, vós mediais, eles medeiam”; “que eu medeie, que tu medeies, que ele medeie, que nós mediemos...”. O verbo “incendiar” vai pelo mesmo caminho: “eu incendeio”, “ele incendeia”, “nós incendiamos”, “eles incendeiam”, “que eu incendeie”, “que nós incendiemos”, “que eles incendeiem”.


Pouco usadas na língua oral, as flexões de “mediar” (e de “intermediar”, que deriva de “mediar”) e “remediar” às vezes surpreendem os leitores de jornais e revistas quando se veem títulos como “Corretora intermedeia operações em paraísos fiscais” ou “Brasil medeia conflito no...”, nos quais se verifica o emprego das formas verbais abonadas pelos dicionários e gramáticas. Essa surpresa revela o fato de que o falante talvez tendesse a conjugar esses verbos como se fossem regulares (“Fulano intermedia...”; “Quem não previne remedia”).


Convém ser taxativo: nas variedades formais da língua, as formas consagradas são “medeio”, “intermedeio”, “medeia”, “intermedeia”, “remedeio”, “remedeia” etc. O “Dicionário de Usos do Português do Brasil”, do eminente professor Francisco S. Borba (Unesp), dá este exemplo, extraído de livro técnico: “O colorido variará com a distância que medeia entre a placa de vidro e a fonte luminosa”.


Para encerrar, é preciso lembrar que em Portugal são mais de seis os verbos terminados em “-iar” cujas flexões sofrem influência das dos verbos que terminam em “-ear”. Lá, não é raro encontrarmos, no uso oral e no literário, formas como “premeia” e “negoceia”. No Brasil, nos registros formais, não ocorrem formas como essas ou como a popular “vareia”.


Até segunda. Um forte abraço.

 

Pasquale Cipro Neto
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.

o pé da letra

RSS

o pé da letra

ao pé da letra

Escreva para o colunista

Atualização: Segunda-Feira

Newsletter

Receba as notícias da Coluna Ao pé da letra

Powered by Feedburner/Google